quarta-feira, dezembro 29, 2010

Só danço samba.

- Move your hips with your feets - dizia eu às gringas todas com aquele inglês porco que é conhecido dos que já me viram ébria. Dizia sóbria, inclusive.
- Dance is like sex, you see your men with his hands on your hips, and move it.
Porque se não fosse assim, era muito difícil visualizar rebolado. Aprendi num filme - nem lembro qual.
As únicas palavras que eu precisava dizer em inglês eu não dizia. Se era pra ensinar a sambar, eu devia saber falar barata em inglês.
Pisa na barata, joga ela para o lado.
Eu só ia até o step.
Impressionadíssimas ficaram com a gente que mexia a bunda assim com tanta facilidade.
Diz Nayara que está no sangue, eu mesma acho que é coisa que a tevê ensina pras crianças. Dessas coisas boas.
E eu só danço com ele, digo que é sem compromisso e tudo.
Hips and feets.
bad, bad, baaad feets!

domingo, dezembro 26, 2010

Salada de riso com azeite

Eu quis uma música bonita de natal. E doçura.
Como é que é mesmo aquela história de luz baixa que eu disse outras vezes?
As coisas precisam ser vistas na luz certa. Se claro, se escuro, se penumbra, a gente escolhe.
Transparente escuridão, disse a Ana C.
Banho quente, digo eu. pu ri fi ca ção
Então música bonita de natal, atrevimento e luzes enchendo a cidade. Crônicas por minuto. Poemas que eu não aprendi a escrever.
Paz.
No ano novo, eu vou aprender a relaxar.
Do you believe?

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Sua chamada está sendo encaminhada para a caixa postal.



Se eu gritasse alto que te amo no meio da rua, no meio da lama, no meio de todas as pessoas que a gente conhece, que cara você não teria. Está tudo posto, está tudo claro. Eu que não disse nada. Eu que não fiz nenhuma loucura além daquelas com as quais você certamente já se acostumou.
Então me beija mais um pouco, mais uma noite.
A gente muda de cara quando amanhece, você sabe.
Fica. Deixa a cara da gente amanhecer e o tempo cuidar de fazer tudo.
Daí te liguei pensando em dizer tudo logo e nunca foi tão bonito ouvir som de caixa postal.

sábado, dezembro 18, 2010

our song

Johann me bate que é uma beleza. São mãos muito calejadas, as dele. Cabo de enxada, cano de ônibus, martelo pra pregar nossos quadros na parede. Johann me bate no intervalo entre uma ou outra música de Bach.

Depois viaja.

Aí eu fico apanhando de saudade.

Quando a mão bate, estala e fica, eu gosto. Meu calor dissolvendo nos restos de calo e a pele avermelhando. Depois ele puxa e segura os braços que dói um monte. Bach tocando dessa vez. Depois é rock.

Johann gosta mesmo de metal enquanto me morde as coxas. Johann me abate. As mãos se moldando direitinho nos meus contornos. Johann me sabe desde antes de inventar fotografia.

Agora quieto, longe, me faz carinho na cabeça. Johann não deve estar bem. Morro de medo de ele me deixando. E quando ele se cala, aí é que eu me ralo.

terça-feira, dezembro 14, 2010

Pra não dar dor de cabeça

Eu menti. Precisei de nada. Foi uma pergunta. Foi um sim que era não e pronto. Menti. E depois ninguém torrou o saco. Ninguém quis confirmar.
Mentir foi libertador.
Ele não quis crer, parece. Perguntou de novo algumas vezes, quis detalhes. Mas mentira pré-programada é quase verdade.
Então não menti. Disse mesmo o que sentia e aquele sim que era não era sim de peito.
- Tem alguém?
- Sim.
- Onde?
- Outra cidade. Você não conhece.
Descrevi os detalhes. Disse profissão e tudo. As faces de alguém eu vi. E pronto. parou. parou a maré.
Meu deus, como quis letras minúsculas e nenhum começo de frase. Inventei inclusive várias rimas. Você não sabe.
É muito boa essa sensação de não ter encantamento. Lidar com o humano, bonito, verdadeiro. Essa coisa que brota na cabeça da gente.

sexta-feira, dezembro 10, 2010

amor, o nome.

Meu amor, meu amor, meu amor – ele dizia e ela se doía toda.
Resolveu questionar - de incomodada que estava com essa amorzice toda.
- Cê me chama disso por quê?
- De que?
- Esse troço aí.
- Amor?
- Isso. Isso.
- Você não gosta?
- Acho esquisito.
- Quer que eu chame de que?
- Cê sabe... Cê pensa no peso das palavras?
Ele professor de português.
- Trabalho com isso, meu bem.
Ela ficou de formiga na cabeça, pensando que ninguém amava ninguém assim de estalo, mas se ele dizia, devia talvez ser mesmo amor.
Depois ele disse um tchau muito convicto. Avisou que era fim e que estava muito bravo com ela.
O amor continuava vocativo.
- Me responde uma última coisa. Por que cê fica me chamando de amor?
- Eu e você. A relação é amorosa.
- Então me deixa ficar.

Mas ela doeu a noite inteira.

domingo, dezembro 05, 2010

anonimato e outros poemas

Uma ou outra piada, claro. Disse querer o que é óbvio que eu quero com palavras não minhas. Planas, diretas, óbvias. Boca, delícia, gozo, verdade, vontade, desistir, esperar, tentar, contar, plantar. Disse tudo tudo tudo. Todo o impensável. Até o que nem é feminino foi dito.
Que mal tem, desejo?
É claro que ri sozinha no escuro pensando em reações a côrtes anônimas. Cortes? Laceraria você o meu querer com espátula de bolo?
Você faca só quando desejo. Faca nunca não. O não em si é ácido, áspero, grande – impossível de recorrer.
Estou sem forças. Com saudades.
Estou dispersa. Desperta.
Que mal tem, desejo?

sábado, dezembro 04, 2010

fim de noite

- E você?
- Como assim?
- Você mesmo.
- Não sei.
- Acho engraçado.
- O que?
- Como é que você está?
- Cansado. Muita coisa. Um chicote atrás do outro.
- Mas e você?
- Eu o que?
- Está bem?
- ...
- ...
- O que você quer saber?
- De você, mesmo. Nada demais. Gosto de você e quero saber as coisas.
- A mídia?
- Que se dane a mídia. Eu quero saber se você está bem.
- Eu estou cansado.
- Ninguém nunca te pergunta sobre você...
- É.
E um monte de olhos comendo o mundo todo.

terça-feira, novembro 23, 2010

Aquele cara (que tinha me consumido com seus olhinhos infantis)

Eu tinha esquecido como fazia pra ter medo de olhar nos olhos e encostar quando ele chegou. Também não sabia mais velocidades. Sabia nadica de flirt.
Ia e pronto.
Ele me chamava de Michelle. Uns olhos de bicho papão e eu inclinada pra baixo. Nomes mil em mim, ele cafajeste. Michelle ele queria, Michelle eu era mesmo de outros nomes, outra vida.
Queria que eu tivesse certeza sim que nada daquilo era meu direito e que tudo é sim, que o sim alegra a vida. E eu Sim. Tanto sim eu dizia que o sorriso crescia.
É que ele entendia só sim . E eu tão mole ficava perto que não sabia que existia outra palavra.
Então ele dizia as coisas que sabia que eu ia entender:
- i love you! i love you! i love you...

sexta-feira, novembro 19, 2010

se existisse

Ninguém diz o que existe por trás daquela moça. Ela mesma diz demais - o tempo inteiro. Não se diz, nunca, nunca, nunca. Fica em casa ouvindo Fiona Apple e falando com um ou outro nas velhas plataformas novíssimas, digitais.
Sabe de quase tudo, acompanha todos os reality shows. Ri um riso sincero demais. Gargalhadas estridentes, altas, graves. Garagalhadas em notas mil.
Sabe os preços do supermercado, mas não compra nada.
Tem caspas que formariam constelações no cabelo. Cabelo pra fazer mil tranças. Nunca teve coragem de rastafari. Tem doçura, a moça. Doçura que ninguém diz.
Só não tem cara. Ninguém sabe o que ela esconde embaixo do vestido. A moça, fulana, não tem moral de história.

quinta-feira, novembro 11, 2010

imã

Pode ser chato o que for, a voz continua bonita. Arranha que você nem sabe o tanto. Se não existisse o resto, juro que acreditava em final feliz.

segunda-feira, novembro 08, 2010

Se não conta

Faz assim não. Não bota uma coisa na isca e depois pega de volta. Eu aqui anzol mordido, obcecada, louca!
Sabe, quieta. Confabulando ainda comigo, tentando caçar aquele rato. Saber aquelas coisas. Tentando achar os piolhos nas cabeças com pensamento. Meu deus, chega a ser cruel me trazer curiosidade de bandeja!
Diz que não, só. Diz que não conta. Diz que não vem. Diz que era mentira antes. Diz que eu sou besta mesmo.
Mas é que se ontem foi dita uma coisa, hoje outra, amanhã uma terceira, eu fico inchada. Arrepio que você nem sabe o quanto.
Ai meu deus - virei solo puro de guitarra. Escorregando, escorregando.
Não me aguento gente não, sabe?

quarta-feira, novembro 03, 2010

daquele troço preso

E se você estiver certo e eu tenho mesmo um monstro no estômago?
Como viver sem conviver na praça de convites? - já tinha perguntado o poeta.
Mas se eu não estou com fome e como vozes alternadamente como se nada fosse de fato importante, eu fico com azia. meu estômago vai inflando e a azia vai crescendo e o pescoço fica insuportavelmente dolorido.
Então esse monte de advérbios de modo e superlativos. Eu tristíssima, calmíssima, perdidamente estouradíssima.
Coisas bregas por metro quadrado. Revoluções por minuto.
Não te faço a pergunta de sempre. Já sei a resposta do mês.
Agora, you don't believe in love.
Tento de novo semana que vem assim que conseguir digerir mais da metade.
Favor anotar na agenda pra tentar dessa vez algo de formal fora do corpo.

(mas tem também uma coisa. Quando eu fico chorosa e entalada assim, nunca sei se é paixão ou parte do ciclo menstrual.)

sábado, outubro 30, 2010

quântica

Olha, passei da fase de fingir. Não vou dizer que faço questão da presença quando é irrisória. Não vou passar mão na cabeça nem fingir que a paixão de semana passada é pra sempre.
Paixão é vento, gente. Venta. Vai embora e pronto. Vale à pena, claro.
Tudo muito bonito essa semana toda. Meu deus meu ego é um problema sério. Nem é coisa de gente isso de querer ser centro de universo.
Porque se fossem vários universos faria sentido ser centro local.
Mas quem? Quem? Quem tem tanta gravidade?

sexta-feira, outubro 29, 2010

alfa - macho

É a Gal, eu acho. Gritando que você precisa ver que bonito.
Quando eu vejo coisas bonitas eu fico querendo te mostrar - que você mesmo é muito bonito. Só queria te pedir que não me invadisse. De uma vez por todas - agressiva mesmo - qualquer coisa que eu sinta é problema apenas meu.
Não posso mais brincar de ser confessional que te incomoda.
Você é muito pesado.
mas tão leve que se eu soubesse fazia mesmo uma tatuagem. tem nada não. a única coisa que já quis tatuar foi você.
e pronto. Tinha que ter alguma coisa latina ou grega dizendo você em todas as letras.
Mas é que a lírica é tanta meu deus que não dá.
Um desses designers teria que recriar os tipos todos e um alfabeto novo.
Quando eu ficar rica contrato um linguista, coisa assim. Um cara desses bem inteligentes que te pegue a pele e faça letra.
Alguém aí que te congele.
mas aí a imagem fica tão doída.
Em mim você tão quente. Tão quente!

segunda-feira, outubro 25, 2010

co-ra-ção de eterno flêrte.

Avulsa e desatenta. Fugindo do mundo. desafinada, menino, precisa ver. A voz está falhando e meu corpo agora parece que tem cheiro. Pouca coisa mudou depois da última vez.
Tenho sentido vontade de escrever carta de papel por causa da Nayara, mas desaprendi sem teclado e acredito que tinta é coisa muito forte. Que terror, meu deus, caneta!
Não sei mais. Desaprendi o acúmulo das coisas e das pessoas na gente. Acho que nunca soube assim tanto acúmulo de uma só pessoa e tenho medo.
Sabe, ternura?
Semana passada e mês passado a ternura incomodou.
Aquele outro dia a ternura em forma de peso de corpo doeu nos ossos mais do que o colchão que me atrapalha a dormir.
Precisa ver, menino, preciso ver-te.

quinta-feira, outubro 21, 2010

É bonito, você.
Ela disse que estou apaixonada.
Não quero.
Não vou. Não quero.
Leram tudo, sim.
Se rima te quero pra mim.
Então chega, chega. depois vira mentira.

sexta-feira, outubro 15, 2010

entre os peitos

Entre meus peitos seria encaixe perfeito você. Então os dedos fariam o trabalho do carinho lógico. Da ternura irracional. Depois o resto do corpo todo em minhas mãos como reconhecimento, como fruta, como pão. Amasso as costas, mordo as orelhas, apalpo cada canto e seguro firme nas mãos pra não cair de cara. Pra não ficar sem nada. Seguro as mãos pra dizer que a posse nem existe quando existe. Que na verdade mãos e pele e tanto cheiro é tudo acordo.
Você não faz idéia de quanto eu chovi. Ah você não sabe que eu ainda estou chovendo. Chovendo. Encharcando o mundo todo e eu mesma de você e de umidade física. Sentimentalíssima. Essa alegria nova, verde, doce. Esse seu gosto azedo de manhã. Essa sua cara de sono bonita. Essa cabeça desacordada e perto. Esses braços que não soltam nunca.
E pele. Pele. Pele.
Depois é tanto braço, mão, boca, arranco e eu exposta, entregue, vestida, nua, pesada, leve, marcada. Marcada. Marcada. Marcada. E os ritmos. E a sua cara.
E chuva.
Foi pra isso que eu te farejei no mato até achar.

terça-feira, outubro 12, 2010

é preciso manter a calma

Não vai adiantar tentar moldar minha vida na sua. Nem se eu passar manteiga na forma e me untar bem. Há cantos certos de se grudar, independente de quem maneje a fórmula. Há letras certas de se errar.
E não posso aguentar sins e nãos de outrem. A busca é doce. Esse negócio de molde e de mãos eu não sei quando aguento, se aguento. Esses hormônios eu não sei se ajudam ou se deveriam não existir.
Essa mãe natureza às vezes é muito cruel.
Minha nossa senhora da TPM, rogai por nós.

domingo, outubro 10, 2010

Sujos

Tá vendo?
Meio encontro nem de perto e eu completamente besta. Foi por isso que eu disse que não dá pra gente junto, nem pra gente amigo, nem pra gente nada. Podia também dizer que é TPM e que eu não sinto nada, que eu não sou menina, que eu não gosto nem um pouco desse seu tom prepotente na voz.
Mas é que cada eu te amo mexe com todos os pêlos e com a cabeça inteira. Eu fico rodando. de besta, eu fico caindo. Depois eu penso que não é nada e que não devia e que ficou claro pra nós dois que não dá certo.
Joana sempre exige demais de Jasão.
Então melhor uma mais nova, mais fresca, mais burra e menos sentimental. Melhor alguém que só se importe com telefonemas e clichês e nunca olhos. Melhor alguém, pra você, que não saiba ler.

segunda-feira, setembro 27, 2010

medo

That eyes. Keep looking me from the dark. From everywhere. Não sei dizer ao certo de onde vieram, como chegaram. Que força tem, that eyes. Eu sei que em foto os olhos parecem densos. Ficam me desnudando pelos olhos sem sequer existirem. Pictures. Fantasia.
Cada vez que olho parece que li um conto novo de Clarice Lispector. Me pegam os olhos pelo esôfago. Pelo estômago. Pelos olhos. Os olhos me fazem pura azia e pêlos eriçados.
Preciso parar de deixar pontas pelo mundo, like that eyes.
E todos os sentidos parecem que se submetem aos olhos novos. Os olhos velhos.
Não posso com contato real. Não estou pronta para de novo tanta ficção.
Que tudo então se desmanche e saia do meu tórax. Que saia do meu tórax. Que não exista raio laser.
Posso exitar?

quarta-feira, setembro 22, 2010

Primavera

Se enfia de cabeça em mais uma história. Poemas refeitos, quadros expostos. O mesmo caso de antes de todos os outros casos.
i'm sixteen.
Soam então saxofones bonitos e sonoros.
A praia agora tem areia. Não dá mais pra sentar na calçada e esperar onda nas costas. Céu aqui azul.
Agora tem piscina e a realidade é toda fragmentada.
atravanco na contramão.
Do you believe in love?

quinta-feira, setembro 16, 2010

Quando a gente existe e o mundo fica sendo resto

Quando vem, a mão é lógica. Óbvia óbvia. Parece talvez algodão. Parece que o lugar é mesmo a pelanca atrás da cintura. Parece que pode. Parece que é de casa. Parece que é mão e que é parte e que é dele e que é mais meu ainda.
Consciência de corpo parece que só existe quando existe aquela mão. Toca, assim, tão natural como se fosse língua.
Então ele inventou meu corpo quando apareceu pela primeira vez. E cada pedacinho de unha só existiu depois de fincar a pele branca e lisa, quase sem pelos. E o sovaco também nem tinha cheiro. E os dentes se fizeram mais fortes.
E eu existi. Existi tão inteira em espasmos. Existente. Desistente.
Quando vem, a mão não erra. Dança, vacila, escorre, encosta, se fixa, passeia, volta, mora.
Ah se morasse mão aqui e a gente misturasse um no outro as peles, as mucosas e todas as gotas de saliva!
Vem a mão e eu fico querendo bater no liquidificador.

sábado, agosto 28, 2010

Todas as cartas de amor são ridículas

Te reconheço pelos títulos. De longe. Você que não usa perfume, que zomba dos outros, que rima, esquece?
Existem vírgulas certas que parecem erradas. Valas. Pontuações muito distantes da fala que é sem pausas abstrata bêbada. Há vírgulas explicativas em orações restritivas. Inexistentes.
Já não posso correr, já não posso ligar. Dormir já não posso.
Te reconheço pelos verbos empregados. As cordas de aço do violão.
Está sem destino?
Está sem carinho?
Está sem mulher?

sábado, agosto 21, 2010

quiz

Os dados jogados pro alto. Pergunto de novo:
- Do you believe in love?
Os grilos continuam coachando e nós botamos os sapos pra fora.
quem disse que não podia?
No fim da história, seguimos juntos e o arco-íris fica pintado sem que a gente passe por ele. Sempre chuva. Sempre sol.
Leão é signo de fogo. Áries é meu ascendente. Fogo também.
- Do you believe?
Nem eu preciso botar cartas na mesa, nem você. Por certo temos canastras inteiras na mão. Você não abaixa o jogo. Eu não faço questão do morto.
Se as cartas acabam, no bolo, como fica?

domingo, agosto 15, 2010

Janela sobre o mar

Cecília aqui diz estar caçando sua face em algum espelho. Eu, por outro lado, mantenho a mesma cara de sempre, mas não me pareço em nada comigo.
Algumas espinhas novas, fato. Alguma coisa mais recente na playlist.
Ruga mesmo, nenhuma.
Eu mesma, nenhuma.
Em algum momento desses, me deixei de lado e botei outra coisa no lugar, focadíssima numa coisa só. Eu que sempre mil agora elemento utilitário. Máquina.
Descobri há pouco. Não sei mais contar histórias pra criança.
Heitor disse que a última foi muito curta e que a anterior nem era história. Eu, de insensível, fui embora querendo só dormir.
Cecília caçando o rosto, eu caçando as letras.
O mundo, mesmo, nem aí.

terça-feira, agosto 10, 2010

Amarelinha

Ele disse assim: não tem paixão, a gente só precisa fazer coisas legais, como andar de patins, bicicleta e pular pedra. Eu gosto dela, ela gosta de mim. A gente não vai casar, mas faz companhia um pro outro. E cafuné.
Aí veio aquele lá que disse que na verdade a gente precisa mesmo não esquecer de viver conto de fadas. Veio um outro querendo fazer tudo intenso e descartável, tipo fogo e vela e tal.
Mas não tem como ser simples assim quando a gente é menina, teve caderno rosa e cresceu vendo filme da Disney e comédia romântica. Não. As mulheres e as crianças não querem afundar navio nem quando é de papel.
E se não veio ainda a parte mais bonita, a gente acha que vai achar lápis de cor e pintar tudo conforme a nossa vontade e o nosso gosto. Porque, na verdade, a disposição dos móveis é coisa de escolha feminina. Menos televisão. Televisão depende do lugar do cabo.
A madrasta disse que é tudo muito jogo, mas que a presa tem que saber se posicionar.
Eu mesma não quero nada de estratégia.

Só cafuné.

sábado, agosto 07, 2010

Love?

- Do you believe in love?
Não contei, mas o útero dói de cólica. Garganta tem sido elemento quase inútil. O esôfago parece que tem bola de ar.
Amanhã você me bota no colo e conta uma história bonita. Aprende a fazer carinho na cabeça. Me abraça.
Sinto todas as coisas no corpo e não queria assim. Queria que ontem não tivesse acontecido e que as palavras valessem qualquer coisa.
Que você tivesse mais peso do que as moedas no meu bolso. Talvez, se houvesse um pouco menos de uísque com Shakespeare, as coisas incomodassem menos e fossem menos cômicas ao mesmo tempo.
Nunca quis tanta distância. Colo.

Amanhã te vomito.

- Do you believe?
Love?

domingo, agosto 01, 2010

something about the way

Direto sem nem ver pontuação. Corpo ficando flácido, caído, mole. Perdi talvez ontem a capacidade de arremesso. Não faço mais tanto samba. Choro.
Bossa nova eu você rock'n roll.
70 nossa juventude aparente.
Sinto muita falta de acentos diferenciais.
Ontem eu não vi você.
Busquei em outras tardes muitos carnavais. Te quis muito perto. Quiz.
- do you believe in little prince?
Brinca de roda comigo amanhã? A gente sai gritando alto, cantando, fica tendo algum tempo de sonhar e tira folga do trabalho.
Posso te ensinar a pular elástico e corda. Aguento mais de 100.
Agora eu era cibernética.
Você conserta as crases. Eu de egocêntrica conserto o mundo. Agora eu era grande.
Aí veio o moço com a guitarra e tocou que we all come out to montreux. Aí a gente riu um monte.
Te dou um saco de risadas e você me arruma uma mola. Daí eu posso ver televisão e você tem um jeito de ter sempre alguém pra rir daquelas piadas de pintinho.
Depois a gente toca hardcore. punk rock. Samba.
Amanhã eu prometo que vou dormir.

terça-feira, julho 27, 2010

Pernas eletrônicas

Cortou o cabelo e a barba cresceu como se fosse ciência exata. Estive ontem em outras promessas. Esteve semana passada num país mais tropical. Juntos não, nunca. Espelho e reflexo não são uma coisa só.
Estive sem volume, fria, fraca. Ele nunca constante. Gastrite talvez antes do ataque. Queria que fosse coisa fixa de barba espessa.
Mordeu a boca com a força precisa de quem tem muita fome. Tocou as pernas como se não fossem escuras e pudessem ter sido feitas de porcelana. Deteve-se em dedos de pés. Descobriu que a ciência é toda fora das orelhas e perguntou se tinha cotonete.

Não quis rotina, claro. Nem fez promessas.

Cuidou do sono e deteve as lágrimas. Deu uma dessas chaves de pescoço para que eu fechasse os olhos por algumas horas. Falou de madrugada e ficou dono do meu sono, do corpo e do volume da voz.
Tem dedos grandes, largos.

Distância precisa. Exata.

Não há nenhuma mentira por dizer.

sexta-feira, julho 23, 2010

Primavera

Tô te achando tão bonito longe de boca fina assim sorriso largo. Pensei talvez em entrar dentro que nem fio dental. aí quem sabe se fosse mais constante talvez não tivesse assim tanta graça.
Fiquei cheinha de atenuantes e caçando conectivos mas não tem nada demais além de boca, você sabe. Quando tem pele assim que nem naquele outro dia, a gente fica muito sorriso.
Fica o mundo todo muito bonito.

quinta-feira, julho 22, 2010

Romance

Fiquei sozinha ouvindo você cantar. Gritava nos meus ouvidos aquela história toda e muitas tramas rocambolescas de vida e ficção misturadas como se tudo fosse uma coisa só. Em certo ponto, não sabia mais o que era inventado, o que existia no mundo real ou se a verdade é mesmo uma moeda gasta e quase sem valor.
Quis aconchego que não tive cedo ou tarde. Quis travesseiro de peito, e ossos seus e meus se batendo. Quis entender até que ponto vai a equalização e os ruídos de uma música sem razão.
Quis nenhuma razão.
Quis gritar com a solidão.
Quis dançar à dois como quem beija.
Fiquei em pares ouvindo você chorar. Quis ser mais velha e engolir todas as dores como um pacman. Quis brinquedos novos e gritei com força sem nem abrir a boca.
Ninguém tem nada para entender, nem eu.
Vontade de ser mãe do mundo e transformar gente em ursinho de pelúcia – sem eliminar com isso os ossos (do ofício).

terça-feira, julho 20, 2010

Sem noite

É que eu tenho corpo, verbo, vírgulas. Sangue também talvez muito. E sombras. Talvez um ontem a mais faça textos automáticos e talvez as coisas todas sejam muito palavra. E de ser palavra, fica tudo forte, fixo, carne.
Palavra carne eu quase nada. Resto das outras coisas que eu não fiz e sintaxes inventadas.
Busca.
Obsessões por minuto.
Tanto ombro que parece que mais nada.
É que eu tenho crases em mim, conjunções diversas adverbiais, verbais, adjetivíssimas.
Já comentei o quanto gosto de superlativos?

quinta-feira, julho 15, 2010

Extrema

Morreu agora, na minha frente. Sem sequer segurar a minha mão, morreu e não deixou nenhum cigarro que me ajudasse a entender.
Morreu morrida, inevitável, tácita - como quem morre mesmo. Como quando não tem jeito. Como até se a morte fosse coisa que fosse certa quando se fala de vida. Nem nunca conheci nada a respeito dela e da família e dos amigos. Não sei se era boa gente ou se fazia diferença no mundo.
Morreu e trataram de por no jornal a foto mais bonita que ela tinha. A boca toda vermelha de batom e uma sensualidade que não vai nunca mais fazer a menor diferença num plano que não seja onírico. Morreu e fica sendo um pedaço ilustrativo de classificados.
Como celebração. Como se fosse bonito morrer. Como se morrer fosse o fim.
Doeu
em mim.

segunda-feira, julho 12, 2010

heterontem

Se ela volta de outras épocas escandalizantes, espero que traga absinto. Disse que não bebemos ainda o suficiente e que talvez não tenhamos paladar para o tal anis. Conheci antes de tudo e de todos e dos sexos aqueles drops.

Tive um tanto bom de alucinógenos contínuos embaralhados com letras e remédios controlados.

Descontrolado.

Fico sendo um pouco sido agora.

Um passado imperfeito quem sabe futuro do presente do pretérito e as conjunções verbais amontoadas todas com vinho.

Não precisa hoje fazer qualquer sentido; mas se ela volta, que traga éter.

Que seja heter

domingo, julho 11, 2010

Contágio

Definitivamente: fui feita para e por contágios. Sou dessas que se derretem e buscam buscam inteirce. E mesmo o vazio, quando vem, eu quero inteiro.
Principalmente, tenho medo de solidão dessas fatais. Solidão, no fim, seria voltar ao barro que me fez mais gente.
Mas eu não quero regresso. Eu quero amparo. Contágios.

sexta-feira, julho 09, 2010

Me desculpe, mas eu sou mulher

à Natasha Siviero

Eu até sou bonita. Mas infelizmente eu sou primeiro intelectual - uma espécie de protótipo disso, eu mesma diria. Devo reconhecer, entretanto, que é muito difícil conviver com uma mulher que lê. Gaston (aquele do desenho da Disney) mesmo já disse que uma mulher não devia ler, se não começa a ter idéias.
Desculpem as feministas, mas ter idéias não é coisa de mulher. E eu, infelizmente, sou dessas pessoas cheíssismas de idéias grandes por minuto. Então não é estranho que logo ela diga que não me imagina mãe.
Achava, antes, que ninguém nunca conseguiria me ofender. Mas ela conseguiu, no fundo do peito, como se tivesse uma agulha grande. Disse só “não te imagino mãe”.
Me desculpem os leitores, mas eu sou mulher. Tenho sim essa falha de caráter que é gostar de escrever mais do que de todas as outras coisas da vida. E o pior, gosto de ler e gosto muito de saber todas as coisas que eu mesma não imagino que existam.
Descobri - penosamente -, não devia ser assim. Assim não posso fabricar menino no ventre pra depois querer engolir de volta ou não entregar para o mundo ou todas essas coisas de mãe. Não posso pedir a meu filho que não saia sem casaco, nem posso dar colo.
É que nessas escolhas da vida, me fiz dura. Sou dessas que trabalham.
Mãe deve ser outra coisa.

terça-feira, julho 06, 2010

Garganta

Acordou com aquela imagem grande de olhos enormes num rosto pontudo. Olhos ainda maiores que os seus. Queixo nem tão grande, mas as pontas todas ali. As pontas do rosto que pareciam definitivas, fatais.
E vazio.
Faltava um nariz aberto que desintegrasse toda a força das pontas. Talvez também algum criado mudo no qual se segurar.
Cobertores muitos. E muito vazio.
Pensou no grau daquela coisa toda. No grau da falta de preenchimento e pensou que não cabia em si.
O grau das coisas tornava tudo maior. Do tamanho do rosto do sonho. Do tamanho da vida cotidiana. Do tamanho da falta de vazio. Do tamanho até do vazio.
O rosto de novo na cabeça. Pontudo. Bonito.
Olhos.
O que fica é o não-estar.

domingo, julho 04, 2010

O mito

Então ele trancou a porta, virou e me puxou pelos cabelos. Língua e língua e bocas e eu desci a escada totalmente trêmula. Bêbada de beijo. Sem controle nenhum das pernas.

Completamente cheia. Surpresa. Pele.

Completamente emoção.

quarta-feira, junho 30, 2010

The wonderful wizard of Oz

Um pouco mais de música. Só. Pra dar ritmo ao jeito de andar pela rua. Havia um tempo em que eu automaticamente ouvia pretty woman e caminhava de acordo. Todo aquele balanço baiano moldando os quadris e um charme meio forçado de filmes.
Você não sabe, mas eu parei de morar naquele musical de outros tempos – em que sempre morei (tudo sempre foi música). O tempo inteiro músicas que não sei se me moldavam ou se era eu quem moldava as notas.
Agora um tanto de sorrisos falsos. e faltas. Um tanto grande de dissimulação e treino constante para olhos de ressaca. Não sei onde andam meus muros, mas mesmo antes do musical estava lá escrito Bento Capitolina.
Nada foi invenção minha. Tudo antes tinha sido escrito e há poemas certos para cada cena. Não é mais musical. É clássico. E se fosse filme mesmo ganharíamos o Oscar. Trilha sonora principalmente.
Eu estou naquela estrada de tijolos amarelos e gostaria talvez de um espantalho com cérebro feito todo de fé. Razão muito bem treinada e talvez não aquela ternura do homem de lata.
Um pouco mais de música e seguimos saltando os padrões das calçadas. Talvez talvez estejamos de verdade mais em circo do que em filme.

sexta-feira, junho 25, 2010

Das moças da janela

Dizem que as moças ficavam na janela, vendo navios, para esperar os maridos voltarem das guerras, ou das navegações. Para ver se um navio daqueles lhes trazia de volta o homem que nenhuma queria que o mar engolisse.
Depois passaram os navios e inventaram os aviões. As moças começaram a ir também para a guerra. Queimaram até sutiã. Até criaram as próprias brigas e tomaram a tal da pílula.
E depois inventaram o silicone e as plásticas pra ninguém mais reclamar a falta da cara e do corpo da Barbie.
E o Index Librorium Proibitorium parou de valer para quase todo mundo no ocidente. E também mandaram aquela cachorrinha para o espaço e a bandeira americana balançou lá na lua.
Inventaram jeito até de andar no mar e também o GPS pra ninguém ficar perdido.
Eu gosto de bússola. Acho muito bonito que ela sempre aponte para o norte. E gosto das constelações guiando os navios como antes de tudo. Gosto até que o tempo tenha passado.
Mas as moças, com seus machos, mesmo fortes quando sozinhas, continuam a ver os navios da espera que alimentam o desejo constante – apontado pra outro peito como bússola e sem nem precisar olhar estrelas pra saber o caminho.

segunda-feira, junho 21, 2010

Fóssil remexido de caso de mãos

Mandei pra ele um texto grande falando todo de amor. Ele mesmo é muito grande. Muito forte. Muito acima de qualquer amor que seja meu.
Antes fosse apenas isso. É esperto a ponto de eu não conseguir enganá-lo, mesmo sendo mulher.
Ele leu tudo. Diz que gosta bastante de ler as coisas tortas que eu escrevo.
Depois ele perguntou se o texto tinha sido escrito apenas para um leitor – ele-leitor. Eu menti que não. Era um texto que falava sim de um homem de nariz bonito e mãos precisas, mas falava de muitas outras coisas.
Então eu disse que era texto velho, escrito há tempos e que não era autobiográfico. Confessei que o nariz era dele. Apenas.
Riu.
- As mãos não?

sábado, junho 19, 2010

Jaiminho

Marcela Rangel acabou de avisar. Nasceu hoje o Jaiminho, filho da Natasha. Mas a Marcela mesmo não sabe o nome do menino, se é Jaime, Samir, Quintiliano, Benedito, Tiago, Felipe, Chico ou sei lá.
Pra nós, o nome é Jaime e pronto - e o menino vai ser chamado assim não importa qual nome venha a ter.
E antes da Marcela ligar eu estava meio triste, irritadiça, com muita raiva de ser mulher, de ter tpm e de ter tanto sono.
Aí ela liga e fala:
- Jaiminho nasceu.
Pronto.
É vida, gente. É mais importante do que qualquer tpm e é a coisa mais bonita do mundo. E saio dizendo essas coisas sem nem ter visto o Jaime ou a cara da Natasha sendo agora uma cara também de mãe.
Hoje é aniversário do Chico Buarque.
Hoje é uma data bonita pra nascer um Jaiminho, filho da nossa amiga, que a gente vai tratar de mimar bastante e de ensinar a fazer um monte de traquinagem.
Parabéns, Natasha e Rafael.
E muita saúde ao Jaiminho cujo nome eu ainda não sei.

quarta-feira, junho 16, 2010

A parte final de Lord V

Pois é. Agora é fim de papo. Não vou quebrar nada da aura de mistério que me junta a Lord V. Estou fugindo do reino. Fugindo alto. Longe. Intacta como se fosse virgem.
Ninguém comigo, nem plebeu. Em pouco tempo inventam o rock’n roll e talvez eu me reconheça em alguns gritos. Mas agora eu não quero saber de paixão ou mais que flêrte. Cruzando as terras com pés no chão, levo Lord V lambuzado no corpo, empedrado na garganta. Entalado.
Talvez em terra nova me apareça outro Lord, ou só um menino. Talvez assim eu me disperse.
Não importa. Nada deve ficar mais denso do que os dentes de Lord V, que só em sonho estiveram cravados em meus peitos.

Não quero saber de lirismo que não é libertação.

domingo, junho 13, 2010

Água com açúcar

Eu sou pequena, branquinha, magra de dar dó e olhos muito vivos. Você é grande, moreno, voz muito grave e perfume escandaloso de tão bom.
Nos encontramos algumas vezes perto do trabalho. Eu, professora, você, contador. Então um dia você chama pra sair e eu nego. Chama de novo e eu nego. Chama a terceira vez e eu fico com medo de ser indelicada, e aceito.
Você todo galante faz questão que eu beba o drink colorido e doce que eu quiser, mesmo sendo o olho da cara. Você pede um chop e me recomenda uma bebida estranha que parece trifásica. Bebemos, rimos, conversamos.
Vou ficando meio alta e trocamos de mesa para uma daquelas com sofá. Sentamos lado a lado. Eu derramo um pouco de bebida no seu ombro e quando estou limpando, você diz:

- Você é muito bonita, Júlia. É pena que você não saiba disso.

Eu penso em todas as vezes que evitei contato e em todo o medo que eu tenho de me rasgar de novo num envolvimento. Mas você é tão delicado que eu não volto a manter a distância. Puxo eu mesma seu queixo e te beijo sem saber o que virá depois.

sexta-feira, junho 11, 2010

A parte aberta de Lord V

Lord V talvez não saiba, mas essa plebéia leva tudo muito gravemente. Sente tudo muito pesado. Não consegue nem por nada ser leviana.
Então quando ele resolveu me cercar e dizer todas as coisas não ditas, eu caí. Lord V de longe, nobre, inatingível. Eu plebéia besta, crente, mole e muito fraca.
Tive raiva de Lord V acabando com todo o mistério e dizendo com todas as letras que quer plebéia em cama e mesa. Tive saudades imediatas do tempo nem tão longe em que tudo não passava de flerte e rasgos de sala.
Agora rusgas minhas; não sei nem mais como andar. Lord V continua tendo aqueles dentes e aqueles olhos que eu espero não ter que ver. Lord V continua intacto e eu nem tenho aquele outro plebeu em quem me escorava.
Fugi de Lord V com todas as unhas e todos os dentes. Fugi como um bichano. Caí como uma jaca.

Bestíssima. Bestíssima.

É por isso que eu não passo de plebéia e ele continua Lord.
Longe.

quarta-feira, junho 09, 2010

Todas as músicas de Rolf Carlé

Em face dos últimos acontecimentos, precisei ligar para Rolf Carlé. É notório e sabido por todo o meu círculo social que sou muito suscetível a músicas. Que a simples menção de certas notas tem o absurdo poder de me derreter inteira.
Rolf Carlé foi desses casos com músicas fixas e muito bem marcadas, acordadas por ambos. Estava muito claro, tácito, que lembraríamos sempre um do outro ouvindo Esotérico, Relicário e Yellow, do Coldplay. E de lá pra cá se foram alguns meses...
E nesta sexta me citaram Yellow sem que eu tremesse. Não. Não cheguei a pensar que Rolf Carlé tivesse sido de fato deletado de mim por completo simplesmente por não tremer quando alguém falava desta música. Lembrei da história toda e dos moldes de nós dois na lírica. E só. Nenhuma pontada de dor. Saudade e pronto.
Mas Yellow não era a pior. Relicário lembrava todas as noites e Esotérico me matava a cada nota. Lentamente. Bethânia cortava meus pulsos gritando que se eu sou algo imcompreensível, meu Deus é mais.
Então o Windows, que é um grande filho da mãe, deu de tocar Relicário no modo aleatório do media player sem que o mundo ficasse ao contrário e só eu reparasse. E eu não escrevi nada disso no diário. Não achei importante de citar. Não senti a menor falta dos abraços e das noites de Rolf Carlé.
Então veio hoje a prova dos nove. Culpa do Windows, logicamente. Esotérico começou a tocar e eu não percebi. Quase não ouvi a voz da Gal. Bethânia começou a se esgoelar e eu nada. Eu nem arrepiei. Nem tremi. Nem suspirei. Nem perdi pedaços meus nas notas. Nem quis ser incompreensível novamente.
Me mantive firme até o fim da música. Ouvi-a toda. Completa. E nada. Acabou e eu pensei sim em Rolf Carlé. Pensei que ele precisava saber que já não incomodava. Que depois de tantos meses poderíamos retomar aqueles planos de amizade.
Notei que já não estou em cacos.
Então peguei o telefone, pensando nessas coisas e fui ligar para ele à cobrar como de costume. E o mais impressionante é que eu já não sei o número. Não liguei automaticamente como sempre fazia. Precisei olhar na agenda para conseguir falar com ele.
- Bom dia!
- O que te deu pra ligar?
- Menino! Aconteceu um negócio muito impressionante. Consegui ouvir Esotérico sem sentir nada.
- E foi a primeira vez?
- Sim. Foi.
- Que bom!
- Acho que agora a gente pode ser amigo.
- Que bom!
Então ele disse que a mulher e a filha que vieram depois do nosso fim vão bem, obrigada. E agora eu sei que ele não vai checar meu blog pra ver se eu voltei a falar dele sem permissão.
E de mais a mais, não volto a ser Eva Luna, como era apenas com ele. E talvez ele estivesse certo quando disse que tinha sido apenas uma coisa bonita passageira que acabou no tempo certo – sem estragar as músicas bonitas para o resto da vida.

domingo, junho 06, 2010

A parte ausente de Lord V

Fosse outra noite, pediria a Lord V que não me abandonasse ao cais. Mas nessa, nem isso.
Ele deu de ficar distante sem princesa nem nada. Deu de mostrar que não precisa de minhas adversidades. Deu de nem ao menos procurar meus pedaços expostos de pele. Foi seco. Foi longe. Foi grande como se nem fosse gente, se só fosse nobre, se nem fosse meu.
Farejei algo de clímax - os romances dizem que o vazio precede a explosão. E tive medo. Medo de mim. Medo de Lord V. Medo de cair. Medo de despedaçar.
Então me soube inteira e suspirante com Lord V preso nas veias. Correndo com meu sangue. Parte dos meus olhos.
E ao cais me vi exposta ao mar. Só vento cercando.
Só vendo o que virá de Lord V.
Virei protagonista de história.

sexta-feira, junho 04, 2010

Novíssimo caso de pés

Eu acho que aquela mágoa toda foi embora no ralo de alguma pia. Devo ter passado o fio dental com mais força, sei lá. Sei que aquelas coisas densas não estão mais pesando as gengivas nem o estômago.
O silêncio, por outro lado, tem dito coisas que eu não entendo bem. A leveza de algumas coisas tem sido posta à prova e algumas questões têm criado nódulos nas costas. Ninguém precisa saber que o pé muitas vezes é mais importante do que o resto.
Também, se ele passar um ano fora, ainda estarei com saudade do contato diário, mesmo tendo dado tempo de arrumar outros colos. Principalmente, a Bia faz falta. Talvez as transições não sejam possíveis sem a única que faz versos por aqui desde que aprendemos a escrever. O mundo todo não cabe nessa manhã. Os problemas eu curo com café. Os pés eu dedilho e amasso e machuco e cuido.
É preciso muito cuidado com o sustento das coisas. Vínculo bom mesmo é imperceptível. Daqueles que você só dá conta quando estão ali, prontos e singelos. A Bia mesmo é vínculo desde sempre. Desses que eu nem consigo lembrar quando surgiram.
Fico procurando outros ápices depois do último. Fico criando casos, histórias e até conceitos. Tentando entender o que de forma alguma foi feito para isso.
A saudade é uma coisa que rasga.
Os romances têm sido suporte de dores. Palavras de desconhecidos que dão conselhos. Conversas de escada que tem cara de ajuda e não foram feitas para nada disso.
O outro perguntou se é tristeza ou amadurecimento. Não sei. Não sei. As vontades estão novas e distintas. Densas. O controle tem existido com mais freqüência do que antes. A escrita tem ficado até responsável.
As marcas continuam. Os vínculos eu não sei.
Outro dia queria falar muito de aflição e de ternura. Hoje queria falar só de entrega. Mas os vínculos ficam dançando na minha frente junto com as narrativas fortes de outros nomes e outros olhos.
Eu tenho olhos muito pequenos e um corpo muito pequeno. Eu tenho braços de abraçar o mundo e tendência forte ao anonimato.
O mundo sempre morou nas minhas costas, mas está pulando fora, procurando gente mais nova e menos emotiva. A Bia tem se metido em lugares diversos e está cheia de planos.
Parece que muita coisa, mas eu não estou parada e também não sei o que vem agora. Acho melhor aprender de vez a nova ortografia e depois sair para sambar.

quinta-feira, junho 03, 2010

A parte diplomática de Lord V

Calmaria relativa em tempos de crise no reino. Ninguém sabia ao certo qual, mas havia um problema grave no parlamento. Lord V aproveitou para sumir.

Cheguei a pensar que ele não existisse.

Besta, eu. Se tem alguém no mundo que existe é Lord V.

E depois do sumiço, ele voltou sem princesa nem nada. A moça deve ter ido para casa, não sei, mas Lord V agora mostra bastante que quer meus cantos. Chama para si vários pedaços de plebeia. Dá jeitos de encostar os dedos em pontas e raízes de queixos e cabelos.

Tenta de longe algum toque, algum tato, algum rapto.

Como se não fosse nobre, Lord V comigo tenta festas. Frestas.

Claríssima e escorregadia, devolvo as flores.

Se é só toque relapso o que nos cabe, que disso não passe. Que ele não me pele. Que ele não me capte. Que ele não apele. Que ele não me acabe.

Que ele só me cace.

segunda-feira, maio 31, 2010

Carta praquele cara que eu não escrevi

Ao contrário do que possa transparecer por meus olhos brilhantes, não sou capaz de perdão. Hoje estou com você entalado no esôfago. Pensei em talvez te vomitar para fora junto com toda aquela coca cola que tomei noite passada pra curar dor de cabeça.
Tentei muito lançar seus cabelos ao vaso enquanto enfiava o dedo na goela. E nada. Você ainda indigesto e eu pensando em voo.
Por que talvez ninguém mais tenha coragem de andar comigo dentro de um balão colorido, a não ser você.
A moça me pediu desculpas pelo seu comportamento, que você não devia ter sido seco assim comigo. Eu disse a ela que ninguém precisa pedir desculpas por algo que não tenha feito.
Mas eu não disse que não há perdão para suas mãos e para o seu nome.
Ela talvez não entenda que eu não suporto o fato de não ter te inventado com caneta num caderno de capa cor-de-rosa. Não concordo com isso de outra pessoa ter pensado neste ritmo tão vocálico para um nome.
Não acredito em você fora de um livro, de um conto, de qualquer coisa literária, inclusive eu, porque você não devia ter nascido, nem ser gente de carne e osso. Devia ser personagem. Meu personagem. Paixão de meninas solitárias com best seller na mão.
Nunca pele.

sábado, maio 29, 2010

A parte alheia de Lord V

Lord V bem que podia aparecer à cavalo e me levar prum mundo outro ainda hoje. Se fugíssemos do reino, eu não precisaria fingir que não olho Lord V todos os dias desde o primeiro.
A princesa começou a me soltar segredos sem perceber. Aliás, a princesa nem disse nada e eu entendi que entre os dois havia algo mal resolvido, ou bem resolvido demais de uma forma que não a agradava.
Deram de chamar esta plebéia para os bailes do palácio. Enquanto a princesa estivesse por ali, seria eu sua dama de companhia. Mas em certo momento eu quis ir ao banheiro e a princesa disse que não podia ficar sozinha. Apontei Lord V e a rainha num canto e disse que minha ausência seria rápida e que logo estaria ali para abaná-la. A princesa não quis de forma alguma se aproximar de nenhum dos dois. Preferiu sair comigo a ficar no salão.
Lord V ficou distante de mim por alguns dias, enquanto estava a princesa perto. Mas foi ela olhar para o lado que ele deu jeitos de se encostar na parte exposta da minha pele e me botar com febre.
Passo agora os dias esperando toques.

quinta-feira, maio 27, 2010

Ofício 001

Importante dizer que parte deste texto (a de baixo) foi idéia do @marcosdjavan

Sofrendo certa dificuldade de comunicação interna, protocolei um ofício.

Ofício 001
Venho por meio deste declarar para os devidos fins que tenho sentido fortes lances de atração física descabida e despropositada. A senhora Elizabeth Bennet, inventada pela ilustre Jane Austen, disse-me em certa ocasião que sonetos servem para matar grandes amores.
Tendo em vista que nunca dominei a técnica preciosa da confecção de sonetos, escrevo prosa besta para matar tensões. Já tendo sido declarado que os choques existem e que um toque lança a pele toda em explosões sinestésicas e disparam o peito, não preciso declarar mais nada.
À meu favor, o fato de que os braços nunca estiveram uma linha fora do lugar e que a boca manteve-se seca e fechada.
Solicito então a este corpo que é meu, mas é incontrolável, que despeje de si esses lampejos e volte o mais breve possível a ter auto-controle.

A resposta veio rápido, apesar da burocracia.



Diz o senhor Manoel Bandeira no poema A arte de amar:
“Se queres sentir a felicidade de amar,
Esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.
Deixe o teu corpo entender-se com outro corpo,
porque os corpos se entendem, mas as almas não.”


Ciente do exposto pelo poeta, indefiro.

domingo, maio 23, 2010

A parte galante de Lord V

Lord V resolveu soltar apaixonices. Deu de dizer vez ou outra que eu, plebe pura e sem charme, tenho traços parecidos com os dele. Mas Lord V não entende que estão inventando a luta de classes e que sua nobreza está muito acima da minha capacidade cotidiana de flêrte.
Outro dia, inclusive, Lord V chegou com flores e poemas. Fiquei assustadíssima. Me meti até num canto desses de rua com outro plebeu pra me proteger da sorte. Tinha quase certeza que um corpo avulso me tiraria a cabeça da cara de Lord V.
E coisa nenhuma.
Lord V fez que não sabia de tudo o que se passa no mundo, como se não tivesse lacaios prontos a lhe contar qualquer fofoca da nobreza ou da plebe. Percebia de longe que eu tinha começado a correr da corte feita com tanta gentileza. Parece estar criando suas estratégias novas, ou ter desistido.
Do outro lado, eu percebi que os olhos grandes de Lord V sequer chupam os meus se a princesa do reino vizinho aparece.

quarta-feira, maio 19, 2010

Nos embalos dos abraços de seus braços

Sempre gostei muito de abraço. Sempre fui muito de abraço. Mais abraço do que beijo, inclusive. Se fosse pra escolher, era aquele casaco de braços e tórax e peitos que eu queria em volta de mim. Mais nada.
O melhor abraço era sempre o da Fernanda. Nem era muito minha amiga, nem nada, mas tinha uns peitos grandes que confortavam bem qualquer pessoa. Tinha aquele abraço macio e aquele sorriso complemento que fazia de tudo muito mais sincero. Mas nela eu nunca fiquei encolhida por que o conforto era ocasional e pouco íntimo.
Uma vez tinha um menino que eu conheci criança e tinha um cabelo todo feito de cachos. Também tinha pernas grandes, um corpo todo grande, uns braços que pareciam capazes de envolver o mundo inteiro. Talvez muita gente tivesse medo de toda aquela imponência, mas eu abraçava e parecia estar dentro de um daqueles cachos. Segura.
Outro lá, antigo amor morto e enterrado, tinha um timing perfeito. Era pequeno, mãos finas, um corpo sem muitos atrativos e cheiro sempre igual do mesmo desodorante. Não sei se era o cheiro ou os braços, mas ali eu tinha o corpo todo misturado com o meu e parecia inteira. E eu não precisava de mais nada se estivesse triste.
Mais tarde apareceu um outro garoto com cachos muitos que antes de abraço me fez massagem nos ombros. Nele aninhada eu ficava pequena e quase sumia. Parecia que aquele abraço me acompanharia por pelo menos dez anos.
Então veio um outro rapaz que parecia ser todo carne. Vendo-o assim, não podia fazer outra coisa que não comê-lo. E comi. Mas ele, do outro lado,talvez não visse assim tanta carne. Pegou seu grande corpo e seus grandes braços e fez dele próprio o meu lençol. Me abraçou.
Caí inteirinha.
Ninguém precisa de mais nada para matar solidão.
Só ternura.

segunda-feira, maio 17, 2010

A parte apoética de Lord V

Lord V tem olhos enormes que ficam chupando meus olhos quando eu olho de volta. Lord V corta a sala de estar com os dentes à mostra, afiadíssimos.
Os dentes de Lord V combinam com meu pescoço, percebi de cara. Antes mesmo de saber que Lord V tinha me visto - e antes de saber que eu era possível olhar Lord V dentro dos olhos.
Dia desses, eu e Lord V saímos para tomar chá. Quase não falamos, comemos apenas. Talvez ele soubesse, como eu já sabia, que qualquer coisa dita seria fatal.
Eu e Lord V preferimos provocação mútua constante – sem comprovação de qualquer tese.

sábado, maio 15, 2010

A parte poética de Lord V

Eu, por mim, deixava logo claro que queria mesmo Lord V. Mas Lord V precisa ser distante pra ser Lord. Então eu aqui - da plebe - fico toda olhos e escondendo o jogo.
Seria muito mais fácil se Lord V não fosse todo dentes e fosse bonito. Queria eu que ele tivesse cara de ter sido feito, que ele tivesse um corpo perfeito, que ele não tivesse marcas de expressão e parecesse de cera.
Se assim fosse, eu nem de longe quereria Lord V rasgando o caminho com aquela cara e aquela voz. Muito menos pensaria em mãos. Mas Lord V não é bonito de primeira e esse é o pior tipo de gente.
Não sei se quero perder aqueles olhos de Lord V e aquela cara que parece ter um traço novo o tempo todo. Uma coisa bonita sempre a ser descoberta. Lord V em pessoa eu quis amontoado em mim - gigante.
Só não sei como fica o flerte se vira coisa densa e posta na mesa.
Da vitrine, Lord V parece uma bela janta

segunda-feira, maio 10, 2010

Iúna – Vitória, uma crônica mal-humorada

Sim, uma das coisas mais íntimas que podem acontecer entre um homem e uma mulher é acordarem juntos. Há quem diga que ver a moça despertar é das coisas mais agradáveis e poéticas. Ainda assim, a regra não se aplica aos ônibus da viação Águia Branca. Principalmente, isso não se aplica nem à linha Vitória-Iúna, nem à linha Iúna-Vitória.
Declaro desde já que detesto essas duas linhas desde que fiz 14 anos e papai e mamãe me deixaram viajar nela sozinha. Detesto quando entram galinhas no ônibus, quando entra alguém com pés sujos carregando pés e mais pés de repolho e detesto quando conversam comigo. Ônibus não é lugar de conversar, minha gente!
Mas, principalmente, eu detestei acordar hoje dentro do ônibus e ouvir um desconhecido cara-de-pau do meu lado perguntar se eu tinha dormido pouquinho à noite e por isso estava com soninho no ônibus. Nem respondi, fechei os olhos e fingi que ainda dormia.
Esses sujeitos têm que entender que não há intimidade nenhuma em ver uma moça acordando depois de dormir muito no ônibus que pegou às 5 da manhã. Principalmente uma moça mau-humorada como eu, vestida de cinza e sem maquiagem.
De bom, a linha tem a parada em Venda Nova, onde se come o melhor pastel. Também gostei uma vez quando entrou um cara com uma sanfona que atendia aos pedidos de todas as pessoas do ônibus.
De ruim, além do já citado, o maldito cheiro de cecê das pessoas que sentaram ao meu lado nesta doce manhã.
Mas o pior não foi nada disso. Nenhum diálogo tosco, nenhuma pessoa invasiva nem nada superou a chegada na rodoviária. Porque a última vez que eu cheguei nessa linha à rodoviária, havia a coisa mais próxima de príncipe encantado que já passou por mim esperando na pilastra.
Ele tinha mandado mensagens bonitas dizendo que eu devia apressar o ônibus pois ele já não agüentava de calor e saudade. Desci e ele tinha um presente bonito desses que só dá quem repara nos detalhes da gente.
Mas hoje não tinha presente, não tinha príncipe e nem calor. Chovia e eu teria que procurar sozinha o ponto de ônibus que nem lembrava mais onde ficava.
A pior parte de tudo é que hoje não tinha felizes para sempre.

domingo, maio 09, 2010

A sobra das sobrancelhas

Hoje eu tinha um bocado de coisa a ser escrita. Um bocado de história a ser contada.
Acontece que hoje as frases estão todas forçadas e nenhuma rima sai com ritmo de quadril. Então não vou contar nada, não vou escrever ficção.
As coisas não vão prestar se não forem moldadas no corpo e se não tiverem fluidez natural, se não forem escritas com fluidos de corpo.
Fica então aqui uma música brega no som e toda aquela confusão na cabeça. Pensemos juntos: melhor confusão que convulsão.
É preciso ter otimismo e um tanto assim de beleza.
Gostaria muito de arrancar fora boa parte dos pêlos das sobrancelhas, todos os pêlos do sovaco e das pernas.
Gostaria muito de manter as unhas feitas.
Nenhuma das histórias não contadas falam de corpo bem estruturado ou organização pessoal.
Todas as histórias são de bares e hálito azedo de manhã.
A casa foi destruída pela manhã e a manhã nem viu se tinha gente em casa.

quinta-feira, maio 06, 2010

MR8

Aquela mania maldita de tentar achar onde estava a minha ferida. Depois roçava as unhas ali, para arrancar casquinha. Olhou sem nenhum tom prepotente na voz e disse o quanto sou insignificante ficando em cima do muro.
Eu podia até ficar muito tempo aqui, se ele não me irritasse. Podia nem ter voltado, se não me irritasse.

Não sei se aguento tanta consequência.

Ninguém avisou que a cara fica muito mais bonita pintada no meio da multidão que grita. Nem sobre os arranhões, os tapas, os cassetetes. Essa coisa arraigada e forte que o faz mais persistente que eu, eu não sabia.

Agora sim talvez paixão.

terça-feira, maio 04, 2010

Insensatez

Poderia ter deixado o “eu te amo” pular da boca. Seria a primeira vez que ele apareceria depois de um não e depois de um fim.
As mulheres e as crianças são as primeiras que desistem de afundar navios, mas você deu um jeito no mastro com uma corda. Deixou o navio lá e arrumou um bote salva-vidas pra que a gente respirasse.
Nem sei como anda o navio, mas sei que não estaremos de novo por lá.
Talvez fique ainda carinho e mais nada.
Não sei se agüento quando não é mais necessidade de corpo.
Achei bonito e não sei por quê. Teve mesmo que botar o dedo na cara pra dizer que não éramos estreitos nós e que eu estava errada em pensar que conforto podia ser bacana?
Eu querendo conforto, você querendo paixão. Eu querendo pele e você ternura.
Pensou que eu fosse vazia. E fui.

sábado, maio 01, 2010

O não dito

Precisei dormir por três dias sem parar e ficar quase um ano te deixando escondido no canto da cabeça. Fingi que não te via quando aparecia por medo bobo daquele turbilhão. Admito sem a menor vergonha: não aceitei o fim. Não concordo e também não quero saber o que você pensa a respeito.
Não há nenhum problema em sentir tanto carinho assim por alguém. E não importa que você tenha batido na madeira ao dizer sobre namoro. Conheço uma garota que consegue olhar todas as pessoas nos olhos. Ela escolhe a dedo quem pode ou não conversar com ela.
Eu fujo de olhos desde você. Saio mentindo leviana e bela em prosas bestas e ligeiramente poéticas. Tenho muito medo de contar métrica e bater carimbo. Mas acho que poesia exige sim padrão e ritmo – mesmo os ritmos inumeráveis e os padrões inéditos.
Foi você quem primeiro disse que eu precisava escolher. Mas eu, toda leve, saí boiando na corrente e nadando sem destino. Saí pelo mar, me encharcando de sal pra me coçar depois em casa antes do cloro.
Sei hoje que seu ombro ainda existe e que por pior que você seja e mais feridas que tenha, não vai negar um pouco de ternura.

quinta-feira, abril 29, 2010

Murphy e eu, uma história de amor.


Não existe outra hipótese mais concreta: Murphy me ama. Se não me amasse, sua lei deixaria de atuar assim em mim com tanta força. Nada pode ser tão ruim a ponto de não poder piorar e nenhuma maré de azar finda assim em segundos.
Acordei feliz e antes do despertador. Mais feliz ainda fiquei quando vi que podia dormir mais tempo. Consegui me arrumar num tempo razoável e deixar o cabelo apresentável. Saí de casa pronta para resolver o mundo.Mas não.
Burocracia surpreende mesmo quando tudo está certo. Documentos em mão, assinatura faltando. Quem disse que o único possuidor da força da caneta estava presente? Nunca está. Documentos deixados no armário para posterior assinatura e um problema a mais para checar no dia seguinte.
Bom humor intacto.Fui então resolver as outras coisas necessárias para requerer a colação de grau. Todos os documentos certos. Faltava imprimir o boleto. Botão apertado. Botão errado.
Sem problemas.
Imprimi o boleto certo e fui ao banco. Fila gigantesca e 15 minutos para enfrentá-la. Peguei a senha e fui ao caixa. Conta zerada. Fantástico. Não poderia hoje pagar o boleto e muito menos o diploma. Liguei para o detentor do poder monetário de me custear a colação de grau. Belíssimo, tinha esquecido justo hoje o telefone em casa.
Mais um problema sem solução.Resolvi tentar tirar o registro provisório de jornalista. Documentos todos em mão. Sindicato disse que só tira com diploma, mas que eu podia tentar na Delegacia Regional do Trabalho, que providencialmente está em greve. Ótimo, pensei. Ao menos alguma coisa do Trabalho de Conclusão de Curso eu resolvo.
Menos ainda. Nenhuma resposta nova que me permita prosseguir os trabalhos.
Ainda um pouco de bom humor restava e eu sentei para comer um hamburguer porcaria da cantina, que me serviria de almoço. Tive a impressão de que a carne estava meio crua, porque nunca nunca aquele negócio tinha estado tão ruim.Termino o hamburguer, minha irmã me liga.
- Aline, olha aí na sua bolsa se a minha chave está com você.
- Não, Marcela, a minha chave está comigo.
- Olha direito, você saiu com as duas, a minha e a sua.
- Não saí não. Peraí. Merda. Sua chave tá comigo sim.
- Então você tem que passar em casa por que eu estou presa e preciso trabalhar.
- Ótimo.- Vai demorar?
- Não, né? Entro no trabalho as duas. Vou ali resolver um outro problema e chego aí agorinha.
- Tudo bem.
Isso era uma e muito pouquinha da tarde. Cheguei ao ponto de ônibus uma e meia e teria chegado em casa em 15 ou 20 minutos se o ônibus tivesse passado.
Mas quem disse que ônibus passa quando a gente está com pressa?
Já era quase duas e eu liguei de novo pra Marcela.
- Liga pro meu chefe e diz que eu vou atrasar.- Beleza, tô fazendo almoço, vai querer?
- Não. Já comi. - disse pensando na merda do hamburguer e amaldiçoando a falta de uma bola de cristal.
Ônibus passa, lindo e cheio. E se não bastasse, inventam um engarrafamento no caminho que me atrasa ainda mais.
Então voltei ao bom humor, por que não tinha mais solução. Antes de chegar quase às três no trabalho, cheguei em casa gritando._ RAPUNZEL, RAPUNZEL, VIM TE LIBERTAR DA TORRE!
Tá bom pra você, Murphy?Se não estiver, eu não ligo, prefiro que procure uma outra pessoa amanhã.

quarta-feira, abril 28, 2010

Vai, mulher, se riscar em poemas

Pessoalíssima
é claro que te como
e todas as vezes quero as minhas enzimas
te digerindo.
Nem adianta dizer que é muito.
Esse acaso manda
e a gente desce

As suas enzimas podiam mais,
como o resto.
Qual o código para agressividade feminina
Que não mata o macho?


------------------------------------------------------------


Aviso aos navegantes: Mariana está de férias. A segunda temporada acabou. Dia qualquer desses eu volto com a terceira temporada - alucinante.
=*

segunda-feira, abril 26, 2010

as orelhas que a gente esquece

Talvez nenhum ambiente seja tão povoado de vozes simultâneas quanto o de uma rádio. O locutor fala do estúdio, algum ouvinte liga, a gente(repórter, produtor, editor de áudio, apresentador fora do ar, entrevistados perdidos tomando café) conversa entre si. Depois toca alguma música e o comercial e tudo o mais.
Aos desacostumados talvez seja aterrorizante, mas os tagarelas têm grande facilidade de adaptação ao ambiente. Eu mesma já me sentia em casa ali antes de ser funcionária. E apesar de todas essas vozes já descritas, meus chefes ainda têm a coragem de dizer na cara dura que eu falo demais.
Assumo. Falo um bocado. A meu favor há o fato de que todos ali falam demais. Contra mim, duas orelhas injustiçadas. É claro que seu dono fala e enche o ambiente de comentários ácidos, cortantes e às vezes indiscretos. Mas os comentários são salpicados e na maior parte da manhã o dono das orelhas escreve e lê, pouco diz.
Se saímos ao sol para tomar a brisa diária, encho-o com a minha rotina absolutamente sem graça. E não sou só eu que o faço. Fazemos todos. E o impressionante é que ele ouve. Não dá muitos conselhos ou emite opiniões conclusivas. Demonstra ouvir e pronto. Diz um você tem que ver ou um é foda mesmo. Manifesta esta característica que eu não lembrava de existir depois do advento da internet: a de manter-se reservado.
Contra todos nós, ele consegue ser mais ouvinte que falante. Não sei se quer provar alguma coisa, sei que pela manhã depois de algumas brisas me vi falando e outros falando e falando falando e falando e me senti incomodada de vê-lo apenas ouvindo.
Depois ri comigo mesma e silenciosamente aplaudi.

sábado, abril 24, 2010

Teogonia

A coisa mais bonita em você é o tchau. Demorei a ver ou entender qualquer coisa. Mas são poucas as vezes que você diz, e todas são absolutamente sinceras. Se eu vou embora, você beija e pronto. O ônibus chega e a gente não pensou. Ninguém diz nem até amanhã.
Eu fico mastigando os seus restos na pele. Parece mesmo que eu multiplico na sua língua e nas suas mãos. Parece que eu crio um corpo novo e troco de pele a cada contato. Chega a parecer que é só pele. Mas há muito de cabelo e muita verdade oculta.
Não é isso? Amor e corpo e pele: a mesma coisa.
Você diz pouco com os olhos, como eu. Talvez tenhamos muito a esconder e medo desse espelho que eu tenho em você e você em mim. Você não quer ver a amargura de amanhã e eu não quero ver os sonhos do ontem. Mas você diz tchau olhando nos olhos e rasgando com isso toda a pele, a minha e a sua. Você diz tchau sorrindo como quem tem um cedro de rei na mão – ou um chicote. Você machuca quando diz tchau e fica grande como um deus.
E até ontem eu não sabia que você controlava os sete mares, nem que viajava por eles quando quisesse. Não conhecia o seu tridente e nem nada que não fosse paixão. Eu não pensava que você pudesse ser grande. Não tinha visto direito que seus olhos nasceram muito antes do resto do corpo e que tudo em você é leviano, a exceção do tchau.

quinta-feira, abril 22, 2010

História difícil de decodificar

Depois desses anos de novela eu não devia me assustar com nada. Achei que as séries tivessem temporadas com enredos bem definidos e episódios que valessem neles mesmos. Ninguém precisaria de tanta contextualização assim para acompanhar a história.
Então vieram quatro anos de idas e vindas malucas o suficiente para não justificar qualquer coisa televisiva.
Começou num dia besta em que ele levantou e eu sentei. Depois veio um bombom num dia em que ele teve ciúmes. Foram algumas tardes de fingimento mútuo.
As duas personagens eram complicadas e interessantes demais para que a novela seguisse um ritmo padrão.
Parecia tudo muito tenso e muito grande, quase insuportável.
Declaramos fim de história e seguimos os rumos depois do último dia no muro.
Dois amigos se atracavam num canto escuro e nós decidíamos não passar do ponto. Final super televisivo e cinematográfico para uma primeira temporada.
Passou um tempo e tentamos novamente.
erro número 1.
Passou mais um tempo e tentamos ver se dava.
erro número 2.
E nessa história toda sem pé nem cabeça talvez haja dois componetes sólidos. Paixão do começo e impacompatibilidade do final.
E o tema mesmo não são gênios, são corpos.

quarta-feira, abril 21, 2010

Mariana XXXIX

Tinha ficado tanta coisa atravessada
Tanta coisa não dita
Que Mariana quase confessou ao cachorro
que doía cada vez que um Lucas
Era carne
E queria ser posse
em trocas de saliva com ela.
O cachorro soube apenas
que corpo esponjoso e mucosa
eram coisas sérias
demais
para que Mariana os misturasse
sem envolvimento.
E ele sorriu
para depois sumir.
E Mariana abriu sua temporada de caça ao Cachorro
Pensando que talvez houvesse solução
e esperança
Quando abanassem o rabo e se farejassem
Mas ela não sabia
Que o cachorro faria questão de ser tão etéreo quanto ela
E fugia como mulher.
Os dois se encontravam
E ele se enroscava em outras moças
Então aquele ciúme que andava perdido
voltou a embriagá-la
E Mariana teve raiva
do cachorro
E de si.

Então tomou mais um suco de laranja
com o cara de quem ela não gosta.

sábado, abril 17, 2010

Ciranda


Clarinha disse que ia ser pra sempre aquela coisa e que as duas podiam até morar juntas, que nenhuma panela seria capaz de separá-las. Mas Joana foi mudando de cor e ela e Clarinha se desentenderam mesmo sem ter, assim, tanto contato.
Os cacos ficaram espalhados no chão e o mundo inteiro participou das brigas. Verdadeiro espetáculo ver gritos de duas moças tão bonitas. Nem Clarinha nem Joana sabiam ao certo como tinha acabado aquele laço bonito.
Mas um dia Clarinha disse a Joana que a culpa era das mudanças de personalidade. Joana ficou triste triste e até desabou no chão de chorar. Pensou que devia se moldar a Clarinha, mas esqueceu que as coisas têm de ter dupla face.
Era muito triste pensar que não havia solução.

quinta-feira, abril 15, 2010

Hoje não tem revisão

Se você quer saber, hoje eu nem vou escrever nada no word. Decidi, boba e imatura, que vou ser sincera de uma vez por todas. Disseram que a gente não pode muito falar de escrita, o leitor acha chato e a angústia é só minha. Que se exploda!
Não quero agradar ninguém.
Não vem, também, agora dizer que está acostumado com doçura e reclamação ou outra coisa, pois este post foi pensado metalinguístico no meio de um cigarro no meio da tarde quando eu não devia estar fumando e muito menos pensando em blog.
É que a cabeça da gente não tem freio e a gente acaba pensando fora de hora em coisas óbvias. Pois hoje eu preciso confessar que eu minto todos os dias e que a primeira pessoa é uma fuga muito segura. E que as verdades a gente inventa personagens pra dizer. E que muitas vezes nem é nada disso.
Aquele cara bigodudo falou há um tempão que a verdade é uma moeda gasta, quase sem valor.

Acho muito justo dividir a angústia do dia, que nem é tão grande e nem é tão grave. Porque você não sabe, mas eu aguento tudo e tanto que ser Atlas já nem tem mais graça.
Então eu vou especificar que não sei até que ponto eu estou certa de estar sendo assim tão mercenária.
Tenho cometido falha grave, vendido textos.
Pequei.
Venho pecado há 6 anos, quase 7.
Fui corrompida ainda em 2003 por uma caixa de bombons que nunca veio. Vendo textos desde então, um atrás do outro, com ou sem assinatura, com ou sem estilo, com ou sem paixão.
E hoje, no meio do cigarro, me senti culpadíssima e agora estou debochando. Na verdade(ainda sinônimo de moeda gasta e sem valor), eu não sei por que me sinto assim culpada em ganhar uns trocados.
Nunca fui comunista nem nada (embora meu pai jure que sim e me envie e-mails dizendo nas entrelinhas que eu não devia sê-lo). Sempre estive muito dentro dos padrões pagando de maluca. Na quinta série diziam até que eu era cdf - coisa essa que eu não entendia, já que as minhas notas nem eram lá essas coisas. Só mais tarde eu me toquei de que a culpa era do par de óculos de aro grosso e das lentes muito fundas coroando a má postura e a magreza.
Mas é que hoje pareceu meio crime corromper o sagrado trocando dinheiro por letras que deviam ser moldadas em saliva, corpo e paixão. Nada de dissimular, inventar, medir...
E acrise vai até continuar e o sagrado vai permanecer sagrado se assim o for, mas eu precisava encher este quadro de edição com palavras impensadas enquanto pensava mesmo em mim.

quarta-feira, abril 14, 2010

Mariana XXXVIII - Segunda temporada

Quero parar de falar de Mariana,
Mas os meus pulsos frágeis
sequer dóem quando é sobre ela que escrevo
Sendo personagem, Mariana não devia
deixar tanta angústia
na cabeça de sua autora

Disse que saiu farejando o cachorro,
flertando com o cara de quem ela não gosta,
e querendo não se envolver.
Para completar,
recebeu uma carta do bicho papão.
“Você ainda guarda mágoa de mim?”
E respondeu:
“Não. Só não te quero perto.”
E ele:
“Se não quer perto, é porque há mágoa”
E ela escreveu outra carta, que entregou apenas para mim:

“Bicho Papão,
Quando eu te matei não foi por mal, nem foi físico.
É que eu não agüentei vê-lo beijando a minha irmã, a minha prima e aquela outra Camila.
Depois também teve a cena de você com aquela atriz fazendo tanta verdade no sexo (que você quis que eu cresse) cênico...
Não sei entender teatro.
É que eu engoli todos os sapos sem nunca ter comido nem perna de rã.
E eu te falei que estava com ânsia de vômito, mas você não saía da minha frente! Falou que sem mim ia encher a cara de maconha.
Tanto discurso!
Detesto palavras bonitas, Bicho Papão. Foi um tiro. Só pra nunca mais as minhas mãos tremerem.”

domingo, abril 11, 2010

Alice

Passou a páscoa e não nos vimos. Me vesti com as palavras mais bonitas e me perfumei com doçura. Fiquei até feminina demais. Passei maquiagem e esqueci que a minha onda sempre foi meio intelectual.
Caí na besteira de querer dizer logo que eu sou meiga, achando que você agüentaria. Mas eu devia ter ido na de sempre. Jogos sem beicinho. Sinceridade aparente. Tapas. Bando de frases rasgadas e muita briga. Xingamentos. Devia ter ofendido cada uma de suas gerações.
Nesse corpo aqui não mora princesa nenhuma. Mora um bicho agressivo que vive de garras à mostra. Mas depois daquele outro ter dito eu-te-amo, o bicho amoleceu e eu fiquei menina. Mole mole, receptiva até com a carência. Achando mesmo que os contos de fada estão aí pra ser vividos.
Foi bom você aparecer assim, de verde. Dizer que não me obedece nem nada. Mostrar que meiguice nenhuma vale e que o feminino é forte. Que o feminino existe mesmo quando a gente pula aqueles muros que os fortões têm medo, mas que ele não era aquela coisa morna que eu tinha pensado antes quando estava crendo em contos de fada.

sábado, abril 10, 2010

Mais um pouco de raiva

Eu te esperei de besta porque eu sabia que daí não vinha nada. Eu disse mais besta ainda que você é um idiota e você veio dizer que eu me vitimizei dizendo que sou inocente. Mas você não entende que a inocência vem da crença em coisas dando certo e a importância de um beijo de adeus. Você não entende nada com esse romantismo avesso da praticidade.
E você é literal demais pra esse tanto de ternura. Acha que é tudo disputa de poder e não admite sentimento. Não admite qualquer folga. E não me admite. Sai pisando nos astros distraído, sem saber que a aventura dessa vida é sentimento puro que não se engole por que não se agüenta.
Não me agüenta e principalmente não sabe como me querer, mesmo sabendo que essa coisa pequena e gasta e feminina te atormenta mais que as outras coisas. E talvez por isso o medo. Talvez por falta de quem diga.
Você precisa ouvir só as piores partes. É pra poder ir embora com um mínimo de culpa e crença numa força minha que não existe.

quarta-feira, abril 07, 2010

Mariana XVII - Segunda temporada

A verdade é que o cachorro
não esperava nada.
E nem queria entender.
Mariana o tinha ferido sem saber
quando ainda usava a placa de "love for sale".
Ele disse que já a tinha visto

antes de placas.

Quando ela ainda estava ligada apenas ao homem que não adjetivava.
Quando ainda era óbvio.
Quando ela nem sabia que ele existia
Ele já via.
E essa ternura posta na mesa
foi um soco em Mariana
E lhe secou o pulmão.
Sem respirar, ela pensou no cachorro
como muito mais que um bicho.
Ficou tão sentida
Que quis que o italiano aparecesse
abriria até mão do não
que tinha feito só para ele.

Depois chorou.

segunda-feira, abril 05, 2010

O dos pássaros

Daqui a pouco eu começo com aquele tom de auto-ajuda de sempre (de quem acha que pode dar conselho sobre tudo). Mas não some ainda não, que eu vou sentir falta do seu cheiro.
As coisas não precisam pesar e talvez eu até arranque seus pêlos com as mãos para guardar numa caixinha.
Não quero mais saber de nenhum beijo em nenhuma boca vazia. Hoje a salada-mista só vale com eu e você. O resto do mundo é café com leite.
De um jeito ou de outro, eu não vou te amar. Não tenho medo dessas coisas não. Mas depois daquele outro ano, nenhuma coisa faz tanto sentido e eu acho que não consigo ficar de novo sem respirar. Eu sei que você também já entendeu como funcionam essas coisas de dor. E você também pôs fim com medo de morrer sufocado. Também teve medo do calor e chorou.
Também acha que um dia o tempo volta.
Mas você, como eu, preferiu voar.
Não sei agir depois de tanta entrega – só sei sumir.

sábado, abril 03, 2010

Se o príncipe me liga

Talvez ele me procure de novo - pelos livros, pelos discos, pelas fotos, pelos filmes. Por conta de uma palavra ou outra muito mal posta e daquele humor sarcástico e doce que eu apresento quando não quero mostrar a cara cheia de lama.
Mas ele não entende nada de pele e não conseguiu chegar nas minhas estruturas, nem nos problemas. E não tem a menor graça se não tem problema. Mas talvez ele queira mesmo aquela coisa morna que ofereci junto com os lábios para não ter que dizer não.
Ele não entende nada de contato e talvez não possa nunca segurar um furacão. Então talvez com ele eu passe a vida sendo humor doce e ácido e nada de mim mesma. Nada de me dissolver ou derreter ou sambar ou gritar ou dizer não.
Por que ele é doce e talvez mereça o céu inteiro para ele, junto com todos os abraços e os beijos lentos. Nunca um não. Talvez ele tenha sido feito em molde de livro infantil e eu não tenha sabido reconhecer ali o príncipe das histórias. Mas eu tenho certeza que ele tem um sapato de cristal escondido em algum bolso e que o número bate com o pé da mulher que ele quiser.
Não vão faltar sorrisos, mas talvez faltem mãos e flores e fluidos. Talvez ela não queira laço, como eu não quis. Mas se ele procurar de novo, eu não digo não. Não tenho medo nenhum de afogamento.

quarta-feira, março 31, 2010

Mariana XXXVI - segunda temporada

Mariana não podia mais olhar na cara do ombro
sem um tanto de raiva
um tanto de medo
e sem se perguntar por que não tinham funcionado.
Flertava com o cara de quem ela não gosta
E tentava entender a história toda
Como se houvesse princípio e fim
Como se não fosse tudo cabeça de Mariana numa bandeja de prata
E sangue.
Nem o flerte era natural.
Tinha raiva do italiano
E de si
Queria não entender tudo
chutar o balde
gritar
Tinha emoção lhe enchendo a boca
E tanto peso por tantos homens
que quis ser só
mesmo que ninguém tivesse ligado
depois da placa que ela deixou pelas ruas
oferecendo recompensa
para quem encontrasse seu não.
E, refletindo,
topou com o cachorro,
mas não abanou o rabo.
Pediu que ele entendesse que ela já não podia
Querer bem a ninguém.
Mesmo bichos de estimação.

domingo, março 28, 2010

Antes de ter falta

Vai dizer que é tudo a mesma coisa e que nenhum vício se justifica. Vai dizer que a pele é muito pouco para tanto e que essas coisas são vazias. Vai mandar que eu me cale e bater com chicote, forte, porque mulher não pode ter desejo se não tem filho no bucho. Depois ainda vai dizer que a coisa do piano é besteira e que nenhum sonho vale nada.
E vai mandar que eu me cale e vai me trancar no quarto, chorando. Vai esquecer todas as datas e vai sair de casa dizendo que não volta. E eu vou grudar nos seus pés e tentar sugar um resto de mel das orelhas. Vou arranhar suas coxas tentando fazer você ficar enquanto finjo que sou gato.
Você então vai cuspir no chão para não me cuspir na cara e vai me olhar dum jeito que fique claro que eu não sou mais que poeira. Então eu vou mergulhar em mim e sentir muita angústia. Vou cortar cebolas pra justificar o choro, mesmo pensando que não devia nunca chorar de amor. Vou deitar em concha pra tentar sentir braços em volta de mim, mesmo que meus.
E todas as noites eu vou procurar aquela colcha de pele que você fazia quando me imprensava num canto sem se preocupar com meu espaço e com a minha coluna. Depois, vou ficar amarga e parar de olhar para os lados.

Mas chorar?

Depois de acostumar com a falta eu não choro mais.

sexta-feira, março 26, 2010

clímax

O ápice é sempre sem beijo. Alguma coisa faz brotar ternura no peito, então paixão desembestada e crua. E só é forte e grande se por um momento parece que nada da carne importa, porque os olhos estão ali.
Tudo fica sendo coisa de mão, vontade de ouvir e de contato sem pretensões imediatas de orgasmo. Toque para abrir camadas, estreitar laços, fazer carinho, encharcar o peito de afeto.
Sempre parece que ternura eu não agüento. A parte que queima é muito mais fácil do que a parte que adoça e fecha a garganta.
E quando as coisas são doces e densas, parece que qualquer toque é puro e definitivo.

quinta-feira, março 25, 2010

Mariana XXXV - Segunda temporada

O meu telefone tocou.
- Aline, houve um terceiro Lucas.
E eu sabia o que significava isso:
Mariana começava a fugir do Italiano.
- Não sei por que me meto com esses homens
que tem nome próprio e letra maiúscula.
Jamais houve Lucas que significasse, Aline.
Esse mesmo parecia tão singelo
que eu saí correndo desembestada para não subir na moto que se tornaria cavalo branco.
Nenhum Lucas pode ser príncipe.
- E o Italiano?
- Sumiu de novo, na segunda vez. E eu só estava preparada para entender sumiço depois da terceira.
Então Mariana desligou seu telefone para que nenhum Lucas ligasse.
E foi procurar seu não de estimação
que continuava sumido.
Quando ela viu o Italiano pela terceira vez
E quis crer que seria para sempre.

segunda-feira, março 22, 2010

A Vacaí

Meti duas tranças no cabelo e fui ser criança na casa do meu pai. Eu e meus dois irmãos pequenos. Davi, que estava com febre e Heitor, que estava carente. Os dois montaram nas minhas pernas logo de cara para ouvir histórias.
Foi O menino maluquinho, a Chapéuzinho Amarelo, um começo de Pequeno Príncipe e depois o Homem-Aranha no youtube. Davi, mesmo com febre, era o mais agitado.
Minha madrasta insistiu que me deixassem estudar, mas eu nem ligava para os compromissos. Foi ficando tarde e os dois foram ver TV. Estudei pouco. Heitor disse que o Mister Maker era o máximo e eu fui conferir.
Cama de casal. Crianças. A TV ficou esquecida. Começamos a pular e a rir e os dois me fizeram de cavalo. Tentei ensiná-los a dançar macarena, mas a coordenação motora deles não passava de “tu cuerpo balança alegria e coisas buenas”.
Então, surge a madrasta – que é bicho estraga prazer – pra dizer que era hora de acalmar. Deitaram os dois e eu leria mais uma história. Nem bem comecei e eles levantaram da cama. Tentei continuar e eles pulavam.
A madrasta entrou no quarto.
- Heitor e Davi. A história que a Nini conta é igual a do papai. De ouvir deitado. Se não obedecer eu chamo a Vacaí.
- Quem é Vacaí? – perguntei e ela disse que depois contava.
Os dois dormiram e eu fui caçar a tal da Vacaí.
- Aline, é muito simples. Outro dia, Davi estava na beira da cama e seu pai gritou: vai cair! Vai cair! Vai cair! Davi achou que fosse um monstro, a Vacaí.

sexta-feira, março 19, 2010

Mariana XXXIV - segunda temporada

Quando Mariana começou a me contar, nem quis ouvir.
Mas ela estava tão radiante
Que nem pude botá-la no chão.
Minha amiga disse que os dois pensavam parecido
e que ela estava perdida,
mas que não se apaixonaria.
Ele já tinha explicado as regras do jogo.
Três encontros seguidos próximos no máximo
depois deviam ser ao menos três semanas sem se verem.
Assim, protegiam-se das armadilhas de um eventual envolvimento.
Me assustei com um acordo tão frio,
mas Mariana parecia satisfeita em crer
que podia não mais se envolver.
Sabia, até, que o italiano não valia nada
E por isso estaria em seus braços
sem nem querer saber onde se enfiou o não.

terça-feira, março 16, 2010

Sem drama

O tesão foi todo pelo ralo junto com aquele aviso de fim. Ficou vontade de abraço e carinho. A primeira ternura boa de sentir.
Dessa vez não dói.
Parece mesmo que apareceu alguém no mundo que entende o que se passa nessa cabeça de cá.
O contato que eu fico querendo é fresco. Básico.
Talvez haja pontadas de ciúmes na sala.
Jamais houve não que viesse em melhor hora.

É. Ainda não deu pra crer.

Estou com uma vontade danada de mandar flores ao delegado e de bater na porta da vizinha pra desejar bom dia, de beijar a tia do boteco da esquina. Por que hoje, apareceu no site da ufes que eu ganhei um prêmio.
E pode ser, sei lá, que seja engano.
Mas, enquanto não descobrem isso lá em cima, eu grito entendendo mais ou menos o que quer dizer felicidade clandestina. Dessas felicidades grandes que eu não sentia desde que eu passei no vestibular.
Veio de longe, mas é minha por que eu busquei.
Contei pra minha mãe e ela disse que eu devo ter puxado meu avô. É claro que ele escrevia bem à beça e que é muito injusta a sua falta de fama.
Mas, com todo o respeito, não puxei Anphilóphio de Oliveira não senhor. Ele escrevia soneto e eu me dou muito mal com versos.
Não vou dizer que não tenha tentado ou que não ache importante. Não tem outra forma de aprender ritmo que não seja contando a métrica.
E nem é falta de paciência ou aptidão para artesanato, mas a minha metáfora é fraca e eu não tenho talento pra palavras tão fortes em verso.
Meu lance é mesmo contação de histórias e volta e meia conversa.
Diálogos delirantes.
Meu lance é delírio e jogos de palavras. Brincadeirinhas verbais que se lêem aqui e lá e em cadernos soltos pela minha casa.
Um poema ou outro fica engasgado e desce sem querer, mas eu sou toda prosa.

sábado, março 13, 2010

Dos galhos e das safras

Chega a ser curioso quando, num conselho, suas amigas dizem que é melhor não se apaixonar. Decerto, parece uma decisão prudente e lógica. Principalmente se considerarmos toda a lama que as paixões inventam de fazer no cotidiano.
Se você não se apaixona, não se atrasa, não dorme em serviço, não sonha acordada, não chora de noite nem nada. Se não se apaixona, vai logo arrastando as coisas e nem se afeta.
Entretanto, nem parece ser possível decidir sobre isso. Se tem de ser paixão, as coisas te comem logo e a pele da gente fica diferente, o céu também, a cor da rua também. E tudo também.
As pupilas dilatam e muitas músicas resolvem sair da sua boca todas num mesmo minuto. Parece mesmo felicidade instantânea num começo de conversa.
E nesses começos, você nem pensa que quando acaba a gente se estrepa e abre feridas que podem não sarar nunca - ou sarar amanhã.
E quando sara a ferida de ontem, a gente pula pro galho de hoje e canta, e dá bom dia pra todo mundo, e beija pontas de narizes.
E sonha.
Fica nesse ciclo contínuo de coisas. Safras longas, safras curtas, período de descanso da terra.
É na entressafra que as amigas aparecem:
- Não, querida, não se apaixone agora.

quinta-feira, março 11, 2010

Mariana XXXIII - segunda temporada

Foi pouco depois que o italiano resolveu voltar à cena.
Quis logo Mariana de baixo para cima.
Acontece que o Não estava firme com ela
e Mariana resolveu utilizar-se da arte de esnobar.
Disse logo:
- Não combinamos.
E pensou nas pernas recentes do velho amigo.
Mas o Italiano era inteligentíssimo
e não deixaria Mariana escapar.
Ficou doce, próximo.
Fingiu até olhá-la de cima para baixo.
Então o Não foi ao banheiro
E Mariana sentiu o cheiro.
Caiu.

segunda-feira, março 08, 2010

On the road

Então é isso: acordo de cavalheiros. Não fico par nem ímpar, mas na corrente. Corremos por todos os lados. Contra Deus. Contra aqueles caras.
Eu entro com a faca e você entra com o corpo.
Eu uso as pernas, você usa os braços. Você bate enquanto eu uso mini-saia para distrair o guarda.
Acende o cigarro da moça e eu ajeito o batom.
Você não percebeu ainda o quanto somos bonitos com todo esse instinto assassino.
Seguimos a regra de três e pronto. Nada de embriaguez. Seremos absurdamente racionais, com nossas facas, nossas brigas, suas idéias.
Você entra de sola e eu entro de salto.
Acho que depois a gente entra em cana, mas nada...
Você masca o mundo feito chiclete e eu estouro as bolas.

sexta-feira, março 05, 2010

Os medos da Clarice

Carlos,
Eu sei que tenho até certo charme e que você gosta dessa proximidade. Mas não me deixe te estragar, por favor. Sou melhor observada que tocada.
Muito mais prudente não se misturar.
Não deixe que eu te adivinhe. Suma. Depois volte como se não fosse nada. Finja que dá importância para as minhas crises e não negue colo nunca.
Então finja que eu só falo besteira e deixe isso evidente.
Depois fique perto perto a ponto de eu achar que somos a mesma coisa. Então grite. Depois peça desculpas.
Só não me obedeça. Só não chegue perto demais.
Não quero que você vá embora.
A paranóia daqui é grande por que eu tenho medo bilateral.
Saudades,
Clarice

terça-feira, março 02, 2010

Mariana XXXII - Segunda temporada

Então o não deixou Mariana solta
quando ela resolveu ir ao dentista
Foi o tempo certo de fugir
para as pernas do velho amigo.
Vaziíssima, Mariana representava
como num palco
tentando ser discreta.
Eram dois corações desgastados
em seus próprios braços
um amontoado de gestos ensaiados,
pernas misturadas,
dança,
Nenhuma mísera lasca de esperança.
- Não vai ter paixão, velho amigo. - ela disse.
- Conheço bem as peças do meu xadrêz. Seremos frios. - ele bradou durante um cafuné.
E Mariana se traiu.
- Se isso é um jogo, combinemos de não sacrificar a dama.

Mas Mariana largou a representação de lado e fez-se dura.
Despediram-se como se nunca mais fossem ver-se.
E ela voltou a dar o braço ao não depois de ter o dente obturado.

domingo, fevereiro 28, 2010

Desses começos

Outro daqueles textos velhos que eu acho e posto.
Esse é de dezembro passado.

Pratico todos os dias um canibalismo conseqüente. Mordo orelhas, ombros, pescoços, cantos das minhas próprias unhas. Essa ferida que você me fez eu lambo para ver se seca, se some, se é verdade que saliva tem poder cicatrizante.
Enquanto eu como as unhas, você não liga. Enquanto eu passo as unhas em todas as pequenas feridas que acumulo, você some. Então eu sangro por todos os lados sem canibalismo nem nada. Nem agüento assim tanta hemorragia. Nem agüento mais nada sem você do lado.
Fiquei besta. Fiquei tonta. Me explica onde eu esqueci aquela razão que sempre me deu tanto orgulho. Minha lógica está morando onde, mesmo?
As músicas mudaram de gosto e eu queria muito mesmo saber tocar piano. Praticaria todos os dias aquela nudez renascentista e musical, tocando todas as coisas. Óperas, sambas, tangos - qualquer coisa que coubesse em teclas. E tocaria suas pernas. Dedilharia todos os pedaços e depois beijaria os braços, o nariz e as pontas dos dedos – arrancando notas. E meus dedos percorreriam seu rosto com meus olhos fechados, como para decorar o caminho. Te tocaria em cada ponto de corpo com muitas músicas ao fundo.
Então seria sua vez de tocar acordeom na minha cintura, entender a dinâmica de tudo. Decorar os meus caminhos só para depois inventar rumos novos, novos truques, esquecimentos.
Mas eu como unhas, não toco piano e você não me liga.

sábado, fevereiro 27, 2010

Mariana XXXI - Segunda temporada

Ele disse
Te amo, Mariana.
Ela perdeu a voz.
Não acreditou e não acreditaria.
Tinha que esperar pra ver
se o ombro
não queria só mantê-la fiel enquanto se acertava em outros cantos
Passou um mês e Mariana estava ainda pensando em paixão.
O ombro sumiu com as frases feitas no bolso
e ela ficou com pessimismos
e flertes avulsos

quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Tia Paquita

Baseada em fatos reais



Espanhola de família, Paquita cresceu no interior do estado do Espírito Santo. Casou-se com um filho de italianos, Lucas. Conheceram-se por que ela quis. Era dele a voz bonita que dizia "senhores passageiros com destino a não sei onde, embarquem na plataforma em cinco minutos".
Paquita ouvia aquela voz e quis saber quem era o dono. Foi da cabine ao altar.
Lá pelas tantas, resolveu aparecer na tv uma tal Xuxa que cismou em chamar suas assistentes todas de paquitas. Foi aí que começou a zona.
A Paquita tinha que explicar sempre que era Paquita legítima, de cartório, e aguentar espantos ao dizer o nome. Sempre lidou muito bem com isso, apesar de tudo, exceto nos dias de mal humor.
Paquita está já na casa dos mais de cinquenta menos de sessenta. Fez inclusive uma tatuagem dia desses, quando estava de saco cheio das próprias pernas sem figuras.
E nem faz muito tempo, ela foi ao banco receber a aposentadoria. Chegou lá, enfrentou fila, perdeu um pouco da paciência e finalmente foi atendida. Deparou-se com um desses caixas engraçadinhos.
- Mas é Paquita mesmo?
- Sim, Paquita.
- Da Xuxa?
- Claro! Aposentei-me, vim receber.
Então andou dois passos para trás, pôs as mãos na cintura e cantou em alto e bom som, no meio do do banco com as pernas em pêndulo, uma, depois a outra, em chutes altos.
- Ilarilariê ô ô ô! Ilarilariê ô ô ô! Ilarilariê ô ô ô! É a turma da Xuxa que vai dando o seu alô!

terça-feira, fevereiro 23, 2010

De amizade falecida


Coisa chata isso de amor. Resolve que coça num dia, resolve que dorme no outro. Resolve doer numa visão besta cheia de falta de contato.
Coisa estranha isso de ausência e esse fingimento de integridade e completude quando a base nem me olha na cara. Passa e vira, finge que sou fantasma. Finge que não incomodo, quando a verdade é que qualquer música do Chico ou alguma risada besta madrugada a dentro lembram que eu ainda existo.
Nem falo de pele não. Existo forte na cabeça, com Chico, com chaga, com casca, com Drummond e Bandeira e volta e meia Augusto dos Anjos.
Nunca mais vai ler Viviane Mosé.
Nunca mais pra não ter na cara que a falta que eu te faço é a mesma que eu sinto.
Mais fácil continuar bebendo, enchendo as fuças de outra coisa não tão amiga e não tão cúmplice. Qualquer coisa não verdade, que verdade demais incomoda e parece qualquer coisa ofensiva, mas nunca carinho. Nunca ternura. Nunca o que eu fui pra você por todas as ligações e os anos e as linhas de peças de teatro.
Não aprenderemos a sambar como gente prêta, que minha mulatice e sua loirice não são páreo para esses quadris.
Ninguém vai dizer o que você não gosta de ouvir. Ninguém vai estar lá. Ninguém vai conseguir entender esses gritos da mesma forma que entende os sorrisos.
Completude a gente não vai ter mais, sem uma à outra.
Risada não vai ter mais do mesmo jeito.
Da última vez foi um abraço perguntando de ódio. Abraço bêbado.
Caí logo de cara, que não sei mesmo lidar com isso de ternura. Mas como é que depois de tanta dor eu vou confiar de novo?
Sobrou a pedra da Fafi.

domingo, fevereiro 21, 2010

Mariana XXX - segunda temporada

A menina atemporal
arrumou tempo para trabalhar o despudor.
Sem medo, Mariana encontrou por aí aquele cara de quem ela não gostava
(o mesmo que deu início à sua novela)
Então ela, que não mais se desespera,
flertou sem qualquer culpa
com o sarcasmo de quem ela ainda diz não gostar.
O grande problema foi que
já na boca da fera
ela disse não.
Queria o que?
só no início da novela ele era
a boca do leão.
Mariana e seu não andaram então
dignos e vazios
por mais uma transparente escuridão
- sem fuga de ombro.

Para não falar nada

Tela em branco e eu transbordando. No corpo, feixes de ondas, luz e transes involuntários. Nada de palavra e uma ânsia doida de escrever qualquer coisa.
Vale a marca do lado da boca. Um vermelho aqui. Um roxo ali. Uma pancada dessas feitas em quinas baixas.
Memória de cheiro parece coisa muito impalpável quando eu mesma tento e nada vem em baixo do nariz.
Algumas coisas conseguem ser mais bonitas do que parecem. Precisam ser vistas com luz baixa.
Não quero esconder coisa alguma.
Dizer o que com a boca se é tudo pele inteira?

quinta-feira, fevereiro 18, 2010

A bela adormecida

Criança ainda, perguntou à fada madrinha sobre o que ouvia nas histórias das janelas:
- Que coisa é fim?
- Fim de que, Aurora?
- Fim que todo mundo diz que dói.
- De amor?
- Isso acaba?
- Se acaba de um lado dói à beça.
E Aurora pediu à fada madrinha que nada doesse. Morria de medo de dor e passou a ter ainda mais medo de paixão. A fada não sabia como paixão podia não doer. Falou que dava um jeito, mesmo sem saber que jeito.
Aurora foi crescendo e o rei e a rainha resolveram apresentá-la à sociedade. As outras fadas vieram todas. Encheram a menina de presentes. Uma deu beleza, outra deu inteligência, uma ainda inventou que Aurora não cheiraria mal nunca.
A fada madrinha foi entrando em pânico, que com todas essas coisas, Aurora não ia nunca ficar sem sofrer, nem sem paixão.
Falou então que a menina morreria aos dezesseis com dedo espetado.
Baniram a fada, mas ela deu um jeito de se comunicar com a princesa. Combinaram que se Aurora um dia sentisse muita dor, a chamaria sem ninguém ver, então o encanto da fada faria com que ela dormisse sem envelhecer até a dor passar.
Aurora ficou tão confortável que se esqueceu dos muros. Deu de piscar os olhos e distribuir sorrisos. Arrumou logo um monte de gente lhe desejando os lábios. Deu-lhos a um ou outro, até aparecer um tal príncipe.
Tiro e queda.
Aurora ficou burra burra. Deu-se inteira e se rasgou. Sentia-se feliz todos os dias. Fogos de artifício dentro dela. Mas o príncipe deu de ter mais o que fazer, foi deixando Aurora de lado e se enfiando em outras saias menos reais.
A princesa quis desmanchar. Acabou tudo e se ardeu em febre. Doía tanto que ela achava que nem podia mais.
Foi quando apareceu a fada madrinha e uma agulha que os pais se esqueceram de esconder. Aurora se furou com gosto e dormiu.
Acharam que com beijo de príncipe ela acordaria, mas nada. A fada tratou de botar ali um dragão pra dar um jeito de a menina dormir com seus dezesseis anos super duráveis.
Foi passando o tempo e a dor ficou cozinhando ali até quase passar. Faltava a cartada final. Dragão dormiu estrategicamente e um príncipe inconsequente resolveu beijar Aurora pra ver se ela acordava. Matou o dragão para contar vantagem.
Aurora acordou meio zonza, sem bafo graças ao encanto da outra fada. O príncipe era simpático e o sono ensinou que estabilidade era coisa boa.
Nunca mais quis saber de paixão.
Casou com aquele mesmo e inventou de ser feliz para sempre.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

A menina dos poemas

Cecília escrevia todos os dias. Vício mesmo. Tentava muito com versos, mas um dia percebeu que não conseguia nunca não ser confessional. Confessional por confessional, resolveu escrever uma carta aos amantes e pregar pelas paredes da cidade.
Dizia muito claramente que era absolutamente psicopata, que investigava vidas alheias, que queria saber de todos os detalhes de todas as coisas que escapam às outras pessoas. Peguntava de cada amante a cada pessoa conhecida e discreta que tivessem em comum. Fuçava passados, olhava os astros, jogava i-ching e fazia mapa astral.
Completamente paranóica. Cecília não gostava de coisas que não podia prever. Então inventava as próprias histórias de amor pra depois chorar sozinha.
Chegou a um ponto em que nem sofria. Era ela, suas histórias e as muitas investigações.
Jamais se sentiu culpada, tinha técnica apuradíssima para que ninguém soubesse o tanto que ela sabia. Acabavam falando mesmo, então vinham mais detalhes.
Quando pregou nos muros a confissão, ninguém nem acreditou.
Cecília era doce demais.

segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Se eu fosse Drummond

Parece que faz muito tempo, mas não tem nem quinze dias. Um arquivo aqui e outro ali que abro por acidente, então enxurradas de memória.
Perguntei por que os dias tem passado assim tão devagar. Ando completamente sem noção de tempo.
Parece que faz muito tempo que eu disse alguma coisa pela última vez. Parece que foi ontem que eu senti todas as coisas.
Não tenho dormido bem, por mais tempo que dure o sono.
Ando sem referência.
Pedaços de Aline aos quatro cantos da cidade.
Enforquem e esquartejem!
É pra servir de exemplo daquela máxima fatal:
proibido passear sentimentos.