quinta-feira, fevereiro 11, 2010

A menina dos poemas

Cecília escrevia todos os dias. Vício mesmo. Tentava muito com versos, mas um dia percebeu que não conseguia nunca não ser confessional. Confessional por confessional, resolveu escrever uma carta aos amantes e pregar pelas paredes da cidade.
Dizia muito claramente que era absolutamente psicopata, que investigava vidas alheias, que queria saber de todos os detalhes de todas as coisas que escapam às outras pessoas. Peguntava de cada amante a cada pessoa conhecida e discreta que tivessem em comum. Fuçava passados, olhava os astros, jogava i-ching e fazia mapa astral.
Completamente paranóica. Cecília não gostava de coisas que não podia prever. Então inventava as próprias histórias de amor pra depois chorar sozinha.
Chegou a um ponto em que nem sofria. Era ela, suas histórias e as muitas investigações.
Jamais se sentiu culpada, tinha técnica apuradíssima para que ninguém soubesse o tanto que ela sabia. Acabavam falando mesmo, então vinham mais detalhes.
Quando pregou nos muros a confissão, ninguém nem acreditou.
Cecília era doce demais.