domingo, fevereiro 21, 2010

Para não falar nada

Tela em branco e eu transbordando. No corpo, feixes de ondas, luz e transes involuntários. Nada de palavra e uma ânsia doida de escrever qualquer coisa.
Vale a marca do lado da boca. Um vermelho aqui. Um roxo ali. Uma pancada dessas feitas em quinas baixas.
Memória de cheiro parece coisa muito impalpável quando eu mesma tento e nada vem em baixo do nariz.
Algumas coisas conseguem ser mais bonitas do que parecem. Precisam ser vistas com luz baixa.
Não quero esconder coisa alguma.
Dizer o que com a boca se é tudo pele inteira?