sexta-feira, dezembro 10, 2010

amor, o nome.

Meu amor, meu amor, meu amor – ele dizia e ela se doía toda.
Resolveu questionar - de incomodada que estava com essa amorzice toda.
- Cê me chama disso por quê?
- De que?
- Esse troço aí.
- Amor?
- Isso. Isso.
- Você não gosta?
- Acho esquisito.
- Quer que eu chame de que?
- Cê sabe... Cê pensa no peso das palavras?
Ele professor de português.
- Trabalho com isso, meu bem.
Ela ficou de formiga na cabeça, pensando que ninguém amava ninguém assim de estalo, mas se ele dizia, devia talvez ser mesmo amor.
Depois ele disse um tchau muito convicto. Avisou que era fim e que estava muito bravo com ela.
O amor continuava vocativo.
- Me responde uma última coisa. Por que cê fica me chamando de amor?
- Eu e você. A relação é amorosa.
- Então me deixa ficar.

Mas ela doeu a noite inteira.

5 comentários:

bia de barros disse...

"quero crer que essa paixão jamais será / palavras, apenas / palavras, pequenas / palavras, ao vento..."

:)

Thiara Pagani disse...

Sonhei contigo Aline, que coisa né?
Leve esse amor, mesmo que dolorido.

Estéphanie Mognatto disse...

Tb me douo a noite inteira as vezes =/

Emmerson Barcellos disse...

Tudo muito delicado e bonito de ser ler.
Já havia visitado, mas não comentei.
Blog recomendado pela Dona Thiara, A Estranha. ( brincadeira)

Seguindo-te ;)

Evandro's disse...

Show teu blog!!!
Evandro