sábado, abril 10, 2010

Mais um pouco de raiva

Eu te esperei de besta porque eu sabia que daí não vinha nada. Eu disse mais besta ainda que você é um idiota e você veio dizer que eu me vitimizei dizendo que sou inocente. Mas você não entende que a inocência vem da crença em coisas dando certo e a importância de um beijo de adeus. Você não entende nada com esse romantismo avesso da praticidade.
E você é literal demais pra esse tanto de ternura. Acha que é tudo disputa de poder e não admite sentimento. Não admite qualquer folga. E não me admite. Sai pisando nos astros distraído, sem saber que a aventura dessa vida é sentimento puro que não se engole por que não se agüenta.
Não me agüenta e principalmente não sabe como me querer, mesmo sabendo que essa coisa pequena e gasta e feminina te atormenta mais que as outras coisas. E talvez por isso o medo. Talvez por falta de quem diga.
Você precisa ouvir só as piores partes. É pra poder ir embora com um mínimo de culpa e crença numa força minha que não existe.

5 comentários:

Matéria Escura disse...

Uau!
muito bom. você sabe representar muito bem essas coisas q fazem do ser humano ser humano.
com certeza muitas pessoas vão se identificar com uma, duas ou todas as coisas que apresentaste neste texto, como eu me identifiquei.
isso é muito legal.

Inês disse...

AAAAAAAAAAAH!
Que coisa mais PARECIDAAAAA!
Rss...
Escutemos muito samba.
Inês. (um beijo!)

Stefani Martins disse...

Quanta sensibilidade para escrever! Me identifiquei muito com seu texto. No meu caso, justamente a força que não tenho é a que exponho... e é também meu maior fantasma, aquele que atormenta, faz chorar e querer desistir de tudo.

Abraço,

Olga Durães disse...

Isso. Exorcisa. Põe pra fora.

Sylvia Araujo disse...

"a aventura dessa vida é sentimento puro que não se engole por que não se agüenta."

Que frase, menina! Uau!

Beijoca