quinta-feira, abril 22, 2010

História difícil de decodificar

Depois desses anos de novela eu não devia me assustar com nada. Achei que as séries tivessem temporadas com enredos bem definidos e episódios que valessem neles mesmos. Ninguém precisaria de tanta contextualização assim para acompanhar a história.
Então vieram quatro anos de idas e vindas malucas o suficiente para não justificar qualquer coisa televisiva.
Começou num dia besta em que ele levantou e eu sentei. Depois veio um bombom num dia em que ele teve ciúmes. Foram algumas tardes de fingimento mútuo.
As duas personagens eram complicadas e interessantes demais para que a novela seguisse um ritmo padrão.
Parecia tudo muito tenso e muito grande, quase insuportável.
Declaramos fim de história e seguimos os rumos depois do último dia no muro.
Dois amigos se atracavam num canto escuro e nós decidíamos não passar do ponto. Final super televisivo e cinematográfico para uma primeira temporada.
Passou um tempo e tentamos novamente.
erro número 1.
Passou mais um tempo e tentamos ver se dava.
erro número 2.
E nessa história toda sem pé nem cabeça talvez haja dois componetes sólidos. Paixão do começo e impacompatibilidade do final.
E o tema mesmo não são gênios, são corpos.

2 comentários:

Juan Moravagine Carneiro disse...

"Mas esse pensamento era vago, obscuro, um íntimo sentir-se...aliás, como o tempo acabou também por perder toda esta sua clarividência..."

Dostoiévski

Matéria Escura disse...

apreciar o belo é fácil quando vem da mão de um bom artesista

texto de chocolate que derrete na boca e a gente nem percebe.

gostoso.