sábado, agosto 28, 2010

Todas as cartas de amor são ridículas

Te reconheço pelos títulos. De longe. Você que não usa perfume, que zomba dos outros, que rima, esquece?
Existem vírgulas certas que parecem erradas. Valas. Pontuações muito distantes da fala que é sem pausas abstrata bêbada. Há vírgulas explicativas em orações restritivas. Inexistentes.
Já não posso correr, já não posso ligar. Dormir já não posso.
Te reconheço pelos verbos empregados. As cordas de aço do violão.
Está sem destino?
Está sem carinho?
Está sem mulher?

4 comentários:

bia de barros disse...

"Dormir já não posso." Só precisava escrever... Dessa coisa ridícula, pra variar. x)

Anônimo disse...

Uma sexta-feira que iniciou-se mais parecendo um dia qualquer
O que a tornaria diferente seria uma mulher
Fiz a barba, tomei café, passei o dia ralando
E ao chegar a noite fui contemplado com ela vestida toda de branco
Meus ohos dela eu não tirava
E ela educadamente para mim não olhava
Lá estava eu doido para ser notado
por tão bela mulher
Para mim ela pensava: o que esse cara quer ??
Se o que sentir foi amor ou paixão eu não sei
A nunca certeza que tenho é que dela jamais eu me esquecerei...

Quero agradecê-la pelo prêmio conquistado na Ufes, e agradecer por me dar tamanha felicidade ao surgir na minha frente tão bela naquele evento da BPES.
Boa noite !!
Vinicius

Minnie_ disse...

Adoro encontrar pensamentos que poderiam ser meus nesses seus textos cômicos.

Beijos!

Jéssica V. Amâncio disse...

adorei