sexta-feira, março 05, 2010

Os medos da Clarice

Carlos,
Eu sei que tenho até certo charme e que você gosta dessa proximidade. Mas não me deixe te estragar, por favor. Sou melhor observada que tocada.
Muito mais prudente não se misturar.
Não deixe que eu te adivinhe. Suma. Depois volte como se não fosse nada. Finja que dá importância para as minhas crises e não negue colo nunca.
Então finja que eu só falo besteira e deixe isso evidente.
Depois fique perto perto a ponto de eu achar que somos a mesma coisa. Então grite. Depois peça desculpas.
Só não me obedeça. Só não chegue perto demais.
Não quero que você vá embora.
A paranóia daqui é grande por que eu tenho medo bilateral.
Saudades,
Clarice