sexta-feira, dezembro 04, 2009

tentativa de cura para os problemas da primavera

a morte é esconsolável consolatrix consoadíssima
a vida também
tudo também
mas o amor car(o,a) colega este não consola nunca de nuncaras.
Amar-amaro, Drummond

Um pouco mais de dor na garganta, apenas. Depois a gente resolve a azia. Você precisa entender que as bactérias se reproduzem por cissiparidade. A cada minuto elas dobram dentro de você. Então é bom ficar quieto, agüentar a dor na garganta e não tomar gelado. Vai ser só um pouco, prometo.
Para azia, leite de magnésia ou bicarbonato de sódio. Mas eu sei que é mais complicado digerir coisas do que matar bactérias.
Pra sentimento, entretanto, recomendo livros mais pesados do que antibióticos. Não existe a possibilidade de distração. Para matar sentimentos é preciso manter a cabeça ocupada o tempo inteiro. Jamais tome bebidas alcoólicas. Como com antibióticos, a bebida atrapalha a matança.
Quanto mais filmes, melhor. E amigos. É preciso muitos amigos e flertes. Problemas em casa também funcionam.
Os tratamentos vem sendo testados há séculos e séculos a fio e há quem diga que nem interromper o contato com a matriz das coisas é assim tão eficaz. Nem mesmo os livros, nem nada.
A indústria farmacêutica está em crise essa semana com tanto sentimento. Trata-se de um surto que ninguém via desde o último prêmio da mangueira no carnaval carioca.
Os cartolas, inclusive, disseram que já deram jeito simples de curar amor de carnaval. Cachaça com engov antes, vodca depois. Nem tem paixão que sobreviva à amnésia. Então houve todo aquele marketing sobre pecado e desmistificação dos corpos misturando-se por que é tempo de se misturar.
Mas a indústria jamais lidou bem com a primavera. Os tempos ainda não são tão quentes, há chuva e focos de dengue. Quem é que se preocuparia com paixão se há tanta gripe?
Então segue a primavera sem remédio. E enquanto você devia se preocupar com a dor de garganta ou com a azia, ficamos ambos tentando matar sentimentos com tesoura sem ponta de cortar papel.
Eu juro que se descubro o remédio, registro e te dou parte dos lucros.