quarta-feira, dezembro 23, 2009

Açúcar

A gente deitou na varanda e ficou fazendo nada. O céu todos os dias continua céu e eu nunca soube dividir isso com ninguém. É muito importante olhar o céu da janela e reconhecer uma ou outra estrela, falar da lua.
Olhava o céu da varanda e pensava em como as nuvens se ajeitaram entre um brilho e outro e em como a gente se ajeitava entre uma vida e outra. Dois universos inteiros se misturando sem nenhuma responsabilidade.
Eu queria saber quem é cachaça, quem é limão e por que, raios, precisa de tanto açúcar?!
Da próxima a gente tenta uma mistura nova. Eu fico sendo água tônica, você fica sendo gim e a gente arruma algumas gotas de limão. Depois eu fico sendo vermelho, você fica sendo amarelo e a gente inventa as outras cores.
A gente deita de barriga pra cima e olha pro céu. E pronto. Depois a gente anda molhando o pé no mar.
Depois a gente come até explodir.
E se abraça.