quarta-feira, dezembro 30, 2009

Diário de férias

A Shelha disse que eu devo ser o Darth Vader ou a prima da Bruxa Má do Oeste, mas não é bem assim. Sou super amiga das crianças. Praticamente uma delas - me camuflo bem graças à estatura. Ontem mesmo, fui de guia no dia em que as crianças iriam à Sal & Mel pela primeira vez desacompanhadas. Nenhuma reclamou da minha presença.
Eram 4: Pedro, 10 anos, Guilherme, 9, Rafaela, 8, e Carolina, 10. Todos muito limpinhos e nenhum sinal de catarro. Fomos amontoados no carro e eles escolheram a mesa. Eu estava de espiã dos adultos.
Foram lá montar a pizza sozinhos. Eu estava deixando, mas resolvi dar uma olhada e percebi que não havia molho de tomate. Avisei que era a primeira coisa a se botar numa massa de pizza, ensinei como fazia e voltei ao meu lugar. Quando percebi que demoravam, fui ver o que acontecia e a pizza não tinha queijo. Desrespeitei o poder ultra-jovem e taquei queijo.
Me agradeceram depois - eu tinha razão em dizer que pizza sem queijo não tem graça. Depois eles se encheram de sorvete e voltamos à pé, juntos à beira-mar.
Hoje minha companhia matinal foi Guilherme. Lemos juntos 30 páginas d'O Mágico de Oz. Depois, quase na hora do almoço, decidimos ir à praia e fomos nós dois - sem pai nem nada. O pai do Guilherme até estava na praia, mas foi comigo que ele entrou no mar.
Depois fui ensiná-lo a arte de cavar poças de areia. Não é necessário se espalhar muito. O importante é escolher um ponto e cavar o mais fundo possível. Não se pode estar perto do mar, a não ser que haja vontade de que a poça dure pouco. A distância deve ser pouco depois da marca do quebrar das ondas. Então se cava e cava e cava até que a areia caia no buraco cavado por vontade própria. Então retira-se os excessos e se cava mais até que caibam pessoas dentro da poça.
Rafaela tentou dizer como fazer uma poça. Tinha a autoridade dos seus 8 longos anos. Avisei que eu já fazia essas coisas antes dela nascer. Então cavamos e eu fui ficando areia pura. Praticamente um monstro... Sem nem pensar em nada...
Depois fomos ao mar e o Heitor quis mergulhar no fundão (talvez para afirmar sua condição de rapaz de 3 anos). Eu jogava ele na água depois pegava. Então a Rafaela foi junto e eu jogava o Heitor pra ela. O menino quase nadava. Ficou feliz da vida. Nem quis ir embora.
Todos estávamos felizes da vida.
Eu tinha esquecido que ser criança é bacana assim.