segunda-feira, dezembro 07, 2009

Crônica da irmã mais velha.


Não adianta procurar. Não tem sentimento mais singelo do que amor de irmão. E quando eu falo, pode saber que é com propriedade. Se tem uma coisa que eu sou, é irmã (tenho 7).
E Eu sou a irmã mais velha, mesmo o Fábio sendo mais velho que eu. Nasci primeiro, depois veio a Marcela de pai e mãe. Depois os pais seguiram rumos diferentes e a minha mãe casou de novo. Com o padrasto, vieram o Fábio e o Caio. E foi o Caio, poucos meses mais novo que eu, quem me ensinou a abraçar pessoas. Enquanto isso, o Fábio me ensina todos os dias como é possível se manter gentil em todas as adversidades.
Marcela é a mais irmã de todas. Implica com meu jeito de vestir, me liga de madrugada quando eu não lhe faço companhia, me ouve gritar com ela no meio da faculdade e ainda me aguenta. Foi com a Marcela que eu aprendi a ser irmã e a comprar brigas. Sendo irmã mais velha, ela arrumava as brigas e eu entrava com os tapas.
Depois vem José e Manoel, só pra eu poder dizer para todo mundo que eu tenho um irmão Zé e um Mané. Nasceram quase juntos, um do pai e um da mãe. Manoel me ensinou a trocar fraldas aos onze anos de idade. José me ensinou que por mais novo que ele seja, é uma injustiça arrancar uma pessoa de frente do computador.
Todos me ensinaram muito sobre crueldade e sobre doçura - por que não há irmão mais velho sem tirania. Acontece que, na casa dos vinte, me nasceram mais dois irmãos.
Quando eu olhava para o Heitor pequeno, eu pensava que nem sabia no que aquilo ia dar, mas que havia um amor imenso no peito que ia durar para sempre. Então eu o ninava, cantando Chico Buarque, e o ensinava a dançar funk e ouvir histórias.
Meses de idade e Heitor amava a Chapéuzinho Amarelo. Davi também. Os dois montam na minha perna para ouvir histórias e ver vídeos no youtube. Mas com esses irmãos eu não moro nem brinco na rua. Não tem puxão de cabelo nem nada dessas coisas de irmão. Fico tirando fotos e achando tudo lindo, com aquele vazio de não ser criança.
Mas aí teve domingo um churrasco de família e eu vi uma coisiquinha de uns três anos e cabelo quase na bunda chamando a mãe dela para brigar com meu irmão de três anos de idade, o Heitor. Fiquei a postos para entrar em defesa. A menina gritava que o Heitor tinha brigado com ela e o Heitor olhava gaguejando para a enorme mãe ao lado.
- Mas é que, mas é que, mas é que, mas é que...
Peguei o Heitor e perguntei o que tinha acontecido. E ele me respondeu, numa altura que a mãe assustadora também ouvia.
- Ela zogou liço no são.
- Foi? E o que você fez? - perguntei.
- Cantei pra ela. Zogue liço no liço, não zogue liço no são. Quem zoga liço no são é porquinho.
A mãe da menina não falou nada. A menina, por outro lado, descascou um chocolate e tacou o papel no chão.

7 comentários:

Anônimo disse...

é por isso q eu te amo, gata. e amo o heitor. ha ha. Mah

Larissa disse...

Ah que ótimo!
E que fofo o Heitor.. ^^

Anônimo disse...

Fico sempre emocionada quando leio as suas coisas... é tudo sempre do coração. Você é uma ótima irmã mais velha. Beijos! Kátia

Minnie_ disse...

Só tenho uma irmã. Sou meio tirana às vezes, confesso.
Mas sabe que debaixo dessa tirania tem um amora gigante q nem esse q vc tem pelo Heitor?
Sempre que eu vejo alguma coisa que ela aprendeu comigo, ou quando se mostra tão estrela, tão protagonista da própria vida. É, amor de irmão é uma coisa realmente singela...

Mil beijos, flor!

Raquel Zorzanelli disse...

Esse garoto é inteligente, é dos meus, não pode "zogar liço no são"!! hahaa!

somebody disse...

酒店經紀人,

菲梵酒店經紀,

酒店經紀,

禮服酒店上班,

酒店小姐,

便服酒店經紀,

酒店打工,

酒店寒假打工,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工經紀,

制服酒店經紀,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工,

制服酒店經紀,

somebody disse...

酒店經紀人,菲梵酒店經紀,酒店經紀,禮服酒店上班,酒店小姐,便服酒店經紀,酒店打工,酒店寒假打工,酒店經紀,酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工經紀,制服酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工,酒店經紀,制服酒店經紀,酒店經紀