sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Mariana VII

É que de uma hora para a outra o charme deixou de ser importante. Tinha coisas que Mariana guardava apenas para ela.
Por mais que tudo fosse óbvio.
O óbvio insistia que ela falasse. Ele pedia que ela dissesse algo, que não fosse assim tão Mariana e explodisse.
E ela não queria boca-de-leão.
O que parecia óbvio não era.
Era ela quem não sabia ler.
Mariana não gostava de saber que não sabia ler.
Nem flirt!
Nem flirt!
De Nelson Rodrigues à Shakespeare, Mariana sabia que havia mais coisas entre o céu e a terra que podia sonhar a filosofia dela.
Atemporal não significa sabe-tudo.
E Mariana queria, por um instante, ter paz.
Suas narrativas e poemas de vida sentimental tinham que estacar.
E ela seria Mariana sem rima, por alguns instantes
Mariana não morreria, não.
Mariana é imortal e controla o tempo.
Lolita sem idade!
Mariana não quer ir embora daqui.
Mariana sentia-se perdida e isso não era ruim.
Eu não tinha o que falar, Nelson Rodrigues, Presença de Anita, Nabokov...
Eu sou péssima conselheira e Mariana entra numas de avestruz.
Mariana-vazia não se sente triste.
Só vazia.
Sem tempo.