domingo, abril 14, 2013

De novo.


Eu tenho raiva de você com outra moça. Também comigo, tenho raiva seca. Hoje, molhada, a raiva e a falta e a lembrança.
Quis que fôssemos fáceis como um anagrama. Que meu nome, desordenado, coubesse dentro do seu, mas não cabe. Nem sobrenome, nem fonema, nada parecido. Oposto. De novo. Oposto. Volto.
Já disse mil vezes que não quero, e inclusive que torço muito para que você case logo e pare de existir no mundo em que eu vivo.
Não quero nenhum esbarramento, nem este emburramento, nem seus dentes.
Tudo, menos os dentes.
Aceito, em troca, até esse seu nariz ridículo que você diz que existe. 

Um comentário:

Lara disse...

Excelente, se superou. Soco no estômago.