domingo, outubro 11, 2009

O poder ultra-jovem ao telefone

Ligo para a casa do meu pai e atende uma vozinha esganiçada de criança cujo dono tem três anos de idade:
- Alô!
- Oi? Heitor?
- Ahan!
- Oi meu bem!
- Quem tá falando?
- Sua irmã preferida.
- Vó Euza?
- Não. Sua irmã. A Vó Euza não é sua irmã, é sua avó.
- Aline...
- Ô coisa linda!
- Marcela!
- Não. Aline.
- Aline, cadê meu presente de dia das crianças?
- Não tem presente, meu bem.
- Eu quero falar com a Marcela!
- Seu pai está aí, meu bem?
- Não. Ele está trabalhando.
- E sua mãe?
- Minha mãe está ocupada. - E enquanto ele dizia com toda a sua firmeza de quem tem três anos de idade, sua mãe gritava ao lado: “Heitor, eu estou aqui sim! Deixa eu falar com a Marcela!”
- Heitor, deixa eu falar com a sua mãe, por favor.
- Ela está ocupada! E eu quero falar com a Marcela agora!!
- Tudo bem. - afastei o telefone da boca e gritei – Marceeeela! - dei um tempo e voltei ao telefone. - Oi meu amor.
- Ei Marcela!
- Deixa eu falar com a sua mamãe?
- Não deixo!
- Heitor, é Aline ainda, eu estava fingindo que era a Marcela. Deixa eu falar com a sua mãe.
- Não! - e ria sua risada vilanística de quem tem três anos de idade. Então, num surto, eu pensei não estar falando com Heitor, meu irmão de três anos, mas com Alice, minha prima de cinco que tem um princípio de transtorno obsessivo compulsivo e não pisa na parte branca da calçada nunca.
- É Alice!
Do outro lado. A mesma risada de criança.
- Alice, me deixa falar com a Kátia!
- Ahahahaha! Enganei o bobo na casca do ovo!
- É Alice ou Heitor?
- Eu vou desligar.
- Deixa eu falar com a sua mãe!
- Não. Vou desligar. Tchau.
E a peste desligou o telefone. Liguei de novo e a Kátia – minha madrasta e mãe do meu irmão - atendeu. Não era Alice ao telefone coisíssima nenhuma. Era mesmo o Heitor fazendo hora com a minha cara e manifestando com todo o seu charme o absoluto poder ultra-jovem.