segunda-feira, outubro 19, 2009

Escapismos

Ao Sido

A rua de repente ficou vazia. Vazia. Não tinha nada que ver além do que estava dentro. Nenhuma dança no dia anterior, apenas peixe e um enxame de palavras que mesmo desmembradas estavam carregadíssimas de sentido.
Sentia com cada canto de pele, unhas dos pés, fios de cabelo, pêlos. Sentia principalmente dentro do peito sem poder fazer nada a respeito. Sequer podia pensar que não podia ser peito, mas cérebro. Esqueceu-se do cérebro por que a rua continuava vazia e os olhos não viam nada além do sol.
Gente passando por todos os lados.
Solidão.
O carro partiu com ele para longe e ela nem olhou para trás.
Comprou cigarros e pronto.
Sempre havia ombro amigo pra cospir fumaça.