quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Plim!

Eu juro que tinha pensado algo inteligentíssimo e altamente relevante para escrever. Mas aí fiquei pensando que confessional por confessional, os textos podem ter sim um tom de conversa.
Não importa. Isso aqui não é diário, então as confissões tem que ter requinte de metáfora.
Nem vou cantar vitórias. O que eu queria mesmo era uma crônica dessas de vista de janela. Aquela sensação de olhar a árvore bonitinha e sonhar com várias coisas ao mesmo tempo (sentindo cheiro de mato).
Não sei de mais nada. Acontece que com esta gripe eu ando mais ligada a cheiros do que já sou – e olha que cheiro sempre foi fundamental.
Também queria broa saindo do forno.
Queria tanto férias pra poder não pensar!
Juro que da próxima vez eu invento histórias pra não ter que ficar assim egocêntrica.

Ah!

Tem post novo no Batata Quente!
É a História de um amor de pré-adolescência que ressurge aos 20 anos.

passalá.