segunda-feira, dezembro 24, 2007

Paulo e Tereza

Ele gostou dela. Achou-a divertida e se impressionou com a capacidade que ela tinha de falar besteiras enquanto ele ficava quieto, se segurando para não fazer má figura diante de uma moça que ele não conhecia. A segurança com que ela demonstrou que falava muito, mas não era qualquer uma o impressionou ainda mais. Foi ela quem quis primeiro sabê-lo Paulo e se apresentar Tereza.
Ele ficava meio sem fala com a impetuosidade dela, que além de tudo era amiga do amigo dele, que dizia que há mulheres e mulheres e Tereza é dessas que se ganha com diamantes e mais.
- Ora, você não vê ninguém falando nada de mim, embora eu fale um punhado de besteiras.
E o amigo em comum de Paulo e Tereza fez questão de dizer que com ela ele podia falar.
Paulo seguiu seu caminho pelo clube enquanto Tereza nadava feito sereia. Depois ela sentou-se ao lado do amigo e Paulo finalmente pode ver como era bonito o corpo da mulher divertida que ele conhecera há pouco. Não pode conter a admiração por aquele par bem torneado de coxas bronzeadas, nem pela simetria e equilíbrio de um corpo todo fresco. Sem contar que o sorriso dela era branco e certo, bonito e fresco como a boca também parecia ser.
Ele frizou o prazer em conhecê-la ao ir embora e ela fixou na lembrança a composição mui bela dos olhos dele emoldurados por um céu azul e sol forte.
Pois esse foi o flerte de Paulo e Teraza, que ficou só flerte por que ela dormiu pra não fazer exposição da figura à noite, na praça.