segunda-feira, dezembro 10, 2007

Falta










Eu imaginei que fosse ser assim. Desde o começo de tudo, quando a gente não sabia direito o que era. Tudo sempre foi disputa de egos. E eu fiquei igual. Os joelhos ralados, o nó na garganta, a cara lavada e a espera.
Eu não devia esperar nada depois de um não.
Por que eu disse o primeiro não, mas ele devia me ouvir depois. Eu devia ter estado presente, mas eu sempre estive e naquele dia eu simplesmente não podia. Ele devia entender. Eu não podia dizer sim, ou perdoar. Mas eu precisava de um ombro e os dele são mais confortáveis e menos trabalhosos. Ele conhece as histórias e os medos que eu não quero ter que contar de novo.
Dói.
Meus ossos estão desestruturados e a falta é estruturante.
O que é que eu vou fazer?