sexta-feira, novembro 13, 2009

Considerações sobre boemia.

O problema dessa gente que faz samba e amor até mais tarde é que a gente não se arrepende. Nunca não. As loucuras diárias vão sendo feitas, mas nunca sem vontade. Mais fácil se arrepender do que não fizemos.
Mas acredite, os boêmios acreditam no não. Usam o não. E muitas vezes pensamos que aquele não foi mal colocado.
E quando a gente dança fica tudo colorido. Fica tudo besta besta. A gravidade que fique para o dia a dia. Esse negócio de cabelo alinhado, pés em salto alto e cara corada de vida pela frente são coisas nem sempre necessárias.
Volta e meia, quando o cansaço bate, sabemos que a cura mora num copo de cerveja mais do que em cama quente. Então gritamos uns com os outros e rimos em mesas de cadeiras desconfortáveis. Por que se há conforto completo, não há de que reclamar e a graça se perde junto com a fumaça dos cigarros.
E nos olham como leprosos, pedem que levantemos até o meio da rua e disparemos fumaça em qualquer outra direção.
E saímos sem direção. A vida toda acesa.