terça-feira, abril 28, 2009



Novamente pernas e jogos de cena. Ela parou no centro do palco e ele ao fundo. O foco de luz estava no rosto dele e contra ela. Ficava contornada, um vulto visível com um contorno belíssimo.
Ele olhava de canto e dizia belíssimas juras de amor.
Ela dançava contra-luz e triste. Usava um figurino de saias esvoaçantes e coques no cabelo.
Não havia humor ou entendimento. A cena que devia ser uma era vista com confusão pelos espectadores e aqueles atores não desemaranhavam nada.
Criavam correntes e teias no palco. Os focos de luz alternavam-se e então ele dançava sozinho.
Ana ficava de costas e gritava trechos longos de Lady Macbeth, quando devia ser Ofélia. Pedro esquecia seu Hamlet e soltava falas salteadas de Rei Lear.
Não era mais pra ninguém que não fizesse parte daquela dança.
Ofélia era Ana pura.
Pedro nem lembrava de príncipe nenhum.
A luz não tinha foco. Estava toda acesa no palco.

Cena 2

Ana – gritando – Ai que enjôo me dá esse açúcar do desejo!

Blackout