segunda-feira, abril 20, 2009

Heitor


Bonito mesmo é o meu irmão. Tem três anos de idade, corre e pula o tempo inteiro, aponta pra todos os lados seus olhos verdes sedutores e ainda ostenta belíssimos cachos louros e bochechas rosadas. Um escândalo.
Atualmente, ele tem andado com um curativo grande no queixo. Fez alguma coisa errada quando ia subir a escada e tomou pontos no mesmo lugar da outra vez (o queixo do meu irmão parece ser mais atraído pela gravidade que o resto). Ainda assim, aquele protótipo de barba branca parece dotá-lo de um charme a mais. Uma coisa, assim, ressaltadora de sapequices!
Mas o que deixa ele mais bonito não são as bochechas rosadas. Ele entrou numa loja de instrumentos musicais no shopping e resolveu tocar todas as baterias com as mãos. Pedi que ele não o fizesse, mas se eu não deixasse, seria pior.
- Nini, pode tocar violão?
Depois ele tentou bater nos pratos expostos separadamente, mas a mão dele não era capaz de produzir barulho com aquilo. Expliquei.
- Meu bem, pra você fazer barulho aqui precisa de uma baqueta, como aquela ali na mesa do moço.
Mas ele não se inibiu com a presença do gerente enorme que detinha o poder das baquetas. Simplesmente levou toda a sua autoridade em direção ao homem, piscou seus olhos verdes e disse:
- Moço, me empresta a sua baqueta, por favor?
- Só um pouquinho. – o gerente da loja respondeu.
Então ele saiu pulando e batendo com a única baqueta cedida em todos os tambores sem produzir qualquer som coordenado. Quando descemos as escadas, o papai estava esperando de mãos na cintura.
- Eu sabia que era o Heitor fazendo esse barulho!
E aí ficou tudo mais bonito ainda. Na livraria, ele sentou quietinho e ficou folheando livros na seção infantil.