quinta-feira, janeiro 24, 2008

Xote das meninas

- Você acredita naquelas coisas de conto de fadas?
- Não não. Os homens são todos iguais.
- Não acho que seja assim... Deve ter um.
- Acredita em mim que sou mais velha. São todos a mesma coisa. Todos uns babacas.
- E você quer que eu faça o que?
- Brinque.
- Não tenho coragem.
- Isso é por que você tem quinze anos.
- Grande coisa você e os seus longos dezesseis!
- Meninas de dezesseis brincam, é esse o charme.
- Não tenho coragem.
- Vai ter.

***

Ela não comeu cebola por que se encontraria com ele logo depois. Então os dois saíram e cada um comeu um pastel. Tinha cebola no recheio, mas ele não falou nada por que sabia que ela gostava de vinagrete e não o tinha comido por consideração.

***

Os cabelos estavam arrumadinhos apenas para serem bagunçados e o perfume cumpria com exagero a sua função corriqueira. Agradava.
Ela também botou os brincos de pena que ele achava bonitos. Sabia que o brinco interessava menos que o decote e o jeans justo, mas sabia também que arrancaria dele alguns sorrisos.

***

- Elas não querem saber dos garotos de dezesseis.
- É por que eles costumam ser idiotas, Felipe.
- Ninguém diz que eu tenho dezesseis.
- Posso acreditar em você. Mas as meninas de dezesseis são impossíveis. Elas estão aprendendo a provocar. Estão perdendo o pudor. É muito difícil competir com uma menina de dezesseis.
- Elas só querem saber dos garotos de vinte e dois.
- Felipe, ouça uma coisa. Talvez você não precise usar, mas é preciso ter isso na manga. Leia poesia, querido. Especialmente de Vinícius de Moraes.
- Não acho necessário.
- Vá por mim. É bom ter Vinícius na manga.

***

As meninas de dezesseis tem despudor e medo. Elas não sabem bem até onde vão, mas querem saber de tudo e fazem cara de sapeca. Ter dezesseis pelo resto da vida pode ser extremamente atraente e Felipe não entende que não precisa falar poesia, apenas sabê-la.

***

Toda mulher acaba caindo de quatro por homens que lêem, mesmo não sabendo que eles lêem.