sexta-feira, novembro 30, 2007

Poema cansado

Dormi desde ontem
A noite inteira e de cansada.
Não ficava pensando em compromissos ou versos.
Nem sonhei.
Só deixei que o corpo parasse e fosse.
Talvez minha escrita mole não seja tão boa quanto alguns versos rasgados.
Não quero que minha escrita dance, hoje.
Quero minha escrita sono e confissão.
Ironia talvez.
Quero escrita comendo carne vermelha e doce.
Por que dizem que carne humana é meio doce.
Não gosto mais de poemas,
Já disse?
Não tenho paciência pra essa rapidez de versos que se alongam quando ecoam.
E também não quero essa prosa curta que ecoa por que bate em mim.
Quero nenhuma história.
Desaprender a ler pra retomar a inocência.
Utópico demais.
Talvez seja hora apenas de um banho e não de escrita ruim.
Talvez seja dia para cerveja e preparo pra futura cirrose.
Não é hora pra canto,
São dez da manhã.
Não é hora, então forço.