quarta-feira, novembro 21, 2007

Mariana XVII

Ele era o segundo Lucas de Mariana.
Ela não se lembrava de ter encontrado nunca um homem tão boçal.
É claro que havia o bicho papão.
Mas ela tinha se acostumado ao sonho e ao óbvio
E ela não gostava que lhe puxassem o cabelo assim, vulgar.
Mariana sentia-se suja e não gostava da própria boca
Por que a barba dele machucava e as mãos dele não tinham freio.
Tudo ali machucava e ela fez-se forte pra firmar um tapa.
Ele se encheu de razão.
Ela teve saudade da paixão.
Pular de galho em galho já não tinha tanta graça.
O corpo do sonho era tão carinho.
As mãos do óbvio eram como as dela.
Esse Lucas tem nome por ser mais um número.
Não era homem pra Mariana. Não era homem.
Todos os galhos pareciam tão firmes, mesmo sem raiz.
Mariana gosta de segurança, mesmo com medo de fall in love.
‘cause she is falling in love again every day
and she likes flirt
but is not the time.
Mariana não sabe o timing.
Ela está perdida.
E todos os homens eram iguais até a última noite.
São pessoas, ela me disse. “Não são números como eu não sou.”
Mariana queria banhos mil e sal purificante.
Um óbvio a mais.
Um sonho a mais.
Nenhum dos dois e os dois juntos.
Ou nada.