segunda-feira, março 23, 2009

Confissão

Esses dias eu ouvi dizerem que pra escrever a gente não pode ter o editor nos ombros, nem o copidesque, nem nada. Entretanto, o leitor continua em cada tecla e cada mexeção de pulso.
Escrevo com a minha avó nos ombros sempre. Provavelmente por que eu sei que ela sempre lê. Quanto mais doce, mais avó no texto. E quando é ácido, é ela quem suaviza.
Então começam a brigar minha avó e minha falta de pudor pra sentimentalismos- que é o que permite a escrita-, mas a minha avó muitas vezes cede. Ela entende que se essas coisas não se soltam e viram palavras elas congelam, mesmo inventadas. Minha avó sabe que quando engulo fico com azia e dor de cabeça e ela nunca nunca me quer doente - me dá água de coco e leite com banana e biscoito que tudo curam.
E mesmo quando eu finjo que não, eu sei que sim. Ela está ali e isso faz parte de mim.