domingo, julho 15, 2007

É preciso

ao meu melhor amigo


É preciso não tratar pessoas como objetos
É preciso respeitar espaços
É preciso que o sangue circule
É preciso bom gosto musical
É preciso travar a língua pra agüentar a vida social
É preciso tomar café
É preciso não perder a fé
É preciso agüentar o tranco
E não se apaixonar
E esquecer o que as coxas pedem e pra onde os olhos desviam
É preciso fingir não sentir o cheiro
É preciso agüentar o não.
É preciso dizer o não.
É preciso esquecer a razão
Por um momento de sentimentalismo besta
É preciso travar todos os palavrões e saber andar de salto
É preciso estudar e fazer as unhas
É preciso que sumam
É preciso sumir
É preciso virar pó
E agüentar o tranco de se apaixonar por tudo.