terça-feira, julho 17, 2007

Patrícia

Patrícia tinha postura reta e lábios artificialmente vermelhos. Tinha chegado antes de Carlos àquele encontro. É certo que devia haver algum medo nela, mas ela sentia-se fria dum jeito que só o calor do momento podia proporcionar. O vestido preto ficava bem com o cabelo preto e os sapatos de salto fino. As mãos tinham cheiro de maçã-verde e enquanto ele não vinha ela pensava que tipo de corante era aquele, já que maçãs verdes não tinham cheiro de maçã-verde nem gosto de bala de maçã-verde.
Carlos e Patrícia eram amigos de alguma data. Ele não era daqueles que tinha se aproximado dela exclusivamente pelo tamanho e o balanço de seus quadris. Mas o fato é que os dois eram mais próximos do que ela agüentava e menos do que ela queria.
Ele chegou. O café dela já estava frio e ele era enfadonhamente pontual. Ela chegara antes pela ansiedade que disfarçava enquanto ele perguntava se tinha demorado demais.
Era hora do show. Ele se sentou na frente dela, pediu um capuccino com pouco açúcar, penteou os cabelos louros com os dedos e respirou cansado, enquanto ela sorria e olhava para as próprias unhas.
- Sinto saudades do seu corpo. – Patrícia era direta e sentia não ter por que não prosseguir.
- É...
- Sinto saudades que chegam a me dar choques noturnos. Tenho sonhado. Sinto falta do seu corpo um tanto que tenho sonhado com o calor da sua pele. E você sabe que digo calor querendo dizer temperatura. Eu gosto da textura. Eu tenho vontade diária de falar todas aquelas besteiras que eu contive por pudor da última vez. Eu tenho vontade de botar a boca em todos os pedaços da sua pele. De te cobrir de saliva e de te morder feito uma cachorra filhote. Morder pra conhecer mesmo. Eu preciso dar pra você.
- Eu também sinto fal...
- Você gosta da minha pele que eu sei. E você está olhando para a minha boca e sentindo as mesmas vontades que eu. Mas eu sou a vilã dessa história e eu vou dizer não só por ser mulher.
- Eu não...
- Carlos, sossegue. O amor é isso, hoje beija, amanhã não beija, depois de amanhã é domingo. Roubei de Drummond e sempre quis falar isso a algum Carlos. O Carlos de hoje é você, que eu sou pérfida e volúvel. E você não faz mais que isso por que me conhece e sabe que sou pérfida e volúvel. Sabe que são vinte homens por vez e todos sem futuro algum. Sabe que eu tento ser mulher de um dia só e tenho marcas de todos os meus dias.
- Tem marcado muita gente, Patrícia?
- Não. As marcas que ficam são internas, as marcas que eu deixo são externas.
- Não é verdade.
- Sabes que sou inofensiva e mudo a pessoa do verbo quando quero. Sabe que não tenho concordância e que hoje vim aqui por que realmente quero que você me coma por tesão e sem amor.
- Você não se dá valor.
- Então diz que não está tentado.
- Eu não estou.
- Mentira. Você olha pra minha boca e quer comer esse vermelho feito morango. E digo morango por que você sabe como eu sou azeda. E você não agüenta minha acidez nem minha doçura. Mas meu corpo você quer. Quer as pernas e a boca. Só que não quer gozo de uma noite, ou não sabe que quer. O fato é que você me quer.
- Eu não quero.
- Tudo bem. Eu não acredito em você.
Patrícia manteve a mesma postura séria e casual durante todo o diálogo. Tudo que dizia tinha o mesmo tom. Ela se levantou e foi embora. Tinha a alma lavada e sem não.