sábado, setembro 23, 2006

All Those Drams

Escrevo por não ter nada a fazer no mundo. Não sobrei, no entanto, sou sim desesperada. Não estou cansada. Pra sempre vou suportar a rotina de me ser, que eu sou mil ao mesmo tempo. E ser mil não cansa uma. Talvez canse o todo. Talvez falte parte. O todo sem a parte não é todo; a parte, sem o todo, é toda.
Gregório de Mattos embola a cabeça. Elis Regina canta falando de paixão. Isso não é artigo, conto, poema, romance, novela ou drama. Acontece agora. É uma crônica então? Não sei direito as regras desse jogo. Escrevo por escrever, para que me ouçam.
Vou matar o tempo. Ele não passa e eu não morro. Vou matar a morte. Se ela estiver viva me leva. Mas não vou matar a vida. Ela, sim, tem sorte. Pra onde fica o norte? Esqueci a bússola na sopa de letrinhas fria na mesa de jantar.
O meu cachorro mordeu meu pé. Na minha calça tem uma mancha enorme de cloro. Não sai. Um dia eu aprendo a lavar roupa. Vou matar o cachorro. Hum... Hoje eu to tão serial killer.
É praxe.
Ai! Odeio barulho de caminhão. Trânsito é tão poluição, que nunca sei onde é contramão. A minha mão é direita. Eu nasci gauche. Sou tão interessante que num deboche te desmorono.
Me dá um cigarro?
Ai! Eu quero mijar.
Respira! Respira!
Esquento tanto com tão pouco. Ai! Perdi o chão. Um fósforo!
Cair na lama é tão desagradável. Me ensina a dançar tango? Eu nem sei mais fazer versos.
É um jogral sim! Amarelinha. A bola ta na área. Dei uma rasteira. É pênalti! A merda do goleiro defendeu. Sempre defende. Sou ruim de chute!
Vou ler o jornal pra imitar o Alvarito. Se eu fosse careca talvez...
Não me bate! Sou só uma flor. É. Delicada! Não me bate que se bate arde...
Mãe! Me dá dinheiro pra eu comprar um bombom na loja ali do lado?
Édipo não, por favor.
Os cachorros comem as mães e não é feio. A gente também abana o rabo, dá a pata, late e morde.
Pontada no pé. Chutei o cachorro. Não gosto de bicho!
Quero ir na Disney nos meus quinze anos! Oops! Passei sem perceber.
Mãe! Me leva pra Disney! Mãe! Me dá uma mão! Fudeu é pro seu colo que eu corro.
Ainda escrevo. Fudeu de vez. Ô mãe, se eu que sou mocinha, quero morder a boca de outra mocinha é só por que o cabelo dela me incomoda durante a aula? É tão cheiroso!
Saí de casa há mais de dois anos. Quebrei a cara, me fudi. Parte de mim ainda ficou lá. O todo, sem a parte, não é todo. Eu posso falar palavrão?
Tô tão confusa que eu já não quero nem saber se vai dar pé ou vão me censurar. Oops! Sempre fui fã do Paulo Ricardo.
Ai! Eu me divirto.
Tenho um amigo que só come baconzitos com coca-cola. É vício!
Que diferença faria se o Lula tivesse o dedo minguinho?
Minguinho, seu vizinho, pai de todos, fura-bolo e mata-piolho.
Não tenho piolho dês de os dez anos de idade!
Que diferença isso faz? Que diferença eu faço? Entrei em crise de identidade!
É nessa hora que eu choro? Como é que as pessoas fazem para chorar?
Eu tenho cara de bunda. Na rodoviária me pediram dinheiro. Não tenho nem o meu! Como é que eu vou doar? É, vai doer.
Falei isso só por que doer e doar são palavras parecidas. Que merda! To numa seca filha da mãe há cinco meses.
Eu vou subir pela parede!
Alguém viu a novela das sete ontem? Detesto perder os capítulos.
Um dia eu publico todos os livros que eu já pensei em escrever. Ah! Eu penso muito. Dá uma preguiça...
Tô te deixando pagar a cerveja, mas eu não vou dar pra você. Só dou na hora que eu quiser. Vou me vender por um copo sujo de boteco?
Adoro boteco! Desce logo se não a gente vai se atrasar!
Aí ele chegou sem avisar e me lascou um beijo de cinema. Desmanchei depois.
Qual a capital do Acre? Juro que decorei na terceira série. Mas já faz tanto tempo que eu já nem me lembro mais...
Eu era péssima pulando elástico.
Morro de medo de escuro.
Dá pra calar essa boca?
Ta zunindo... Zunindo... Zunindo... eu não gosto de barulho. Tem um pé na minha cabeça.
Um poço, um dente.
Caí.
Mãe! Me salva.
As blusas daquela promoção eram tão feias que eu nem comprei nenhuma. Não quero mais!
Deu uma vontade daquele uísque que eu tomei com você. Deu uma saudade e vontade do que veio depois.
É. Meu amor é grátis. Grátis é diferente de platônico. Não procuro realizar em pensamento. Eu só amo.
Veio na cabeça a musiquinha que toca quando a dona Florinda encontra o professor Girafales.
Duas coca-colas bem geladas, pra viagem.

(Som de despertador)

7 comentários:

Rayra Alcure =** disse...

Ooii... tpW... eo kiria ter a sua inspiração... to tentando mi localizar ateh agora... mt boum msmo... vo le o post d baxo agOra!!! bjinhusss =***

FLORA disse...

Aline, coisa coisamente...Eu não tenho apelido?Ou será só psicopata?
Bom, você sabe que sou sua fã, e eu fico feliz por você ter aceitado o blog.Adoro os seus textos e sabe ainda que este é o meu favorito.Meu Deus, ainda bem que te conheço...Todas as pessoas mereciam conhecer você.Uma das minhas pouquissimas amigas, seão a melhor...
TE ADORO
(Dona Florinda se parece comigo?espero qeu não)

FLORA disse...

Perai, somos as invisiveis...A senha foi feita especialmente pra vc dona aline...Esqueceu das lojas americanas, da descabelada?Toda vez que leio nosso texto do orkut,tenho crises de riso..posta ele no seu blog...
Te amo psico
Beijos

Thiago Palassi Quintela disse...

E compro dois pães de sal, um iogurte e um pote margarina pra depois reclamar do preço e da inflação... Ando pela chuva como se ela não fosse me molhar, pensando ser "o impermeável". Faço um comentário sem nexo no meio da aula: "Professor, e a minha avó? Onde ela aparece aí nessa história?". Viro a página, escrevo e leio... Invento e reinvento. Poderia ter tomado menos xarope de guaraná ou poderia ter simplesmente ligado menos para o que achava complicado...

Thiago Palassi Quintela disse...

Muito bom o texto!

somebody disse...

酒店經紀人,

菲梵酒店經紀,

酒店經紀,

禮服酒店上班,

酒店小姐,

便服酒店經紀,

酒店打工,

酒店寒假打工,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工經紀,

制服酒店經紀,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工,

制服酒店經紀,

somebody disse...

酒店經紀人,菲梵酒店經紀,酒店經紀,禮服酒店上班,酒店小姐,便服酒店經紀,酒店打工,酒店寒假打工,酒店經紀,酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工經紀,制服酒店經紀,專業酒店經紀,合法酒店經紀,酒店暑假打工,酒店兼職,便服酒店工作,酒店打工,酒店經紀,制服酒店經紀,酒店經紀